Buscar

Luva

Foi como uma luva,

Fria e gélida,

Meus dedos frios,

Nem sentiram nada.

Estava em casa,

Nem era a minha.

Estava morta,

Ou estava viva?

Esperança sempre,

Mas não para todo sempre.

Esperar por amor,

Que nunca lhe é entregue.

Esperar um sonho,

Uma realização.

Esperar no sonho,

Morrer de ilusão.

Foi como uma espada,

Que fere com palavras,

Paguei preço alto,

De abrir o coração.

Esperança eu mato,

Te sirvo num prato.

Morro eu no chão,

E depois eu sigo me arrastando.

Uma hora eu me levanto,

Limpo, sigo, me exponho.

Sou feita de pedra e prantos,

Não é o primeiro que pisa em meus sonhos.


Veronica Stivanim


Autora: https://clubedeautores.com.br/livros/autores/veronica-stivanim

Blog: https://eupenseihoje.blogspot.com/

Facebook: https://www.facebook.com/veronicastivanim

Instagram: https://www.instagram.com/veronica_stivanim/?hl=pt-br

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla