Buscar

Foi como uma luva,

Fria e gélida,

Meus dedos frios,

Nem sentiram nada.

Estava em casa,

Nem era a minha.

Estava morta,

Ou estava viva?

Esperança sempre,

Mas não para todo sempre.

Esperar por amor,

Que nunca lhe é entregue.

Esperar um sonho,

Uma realização.

Esperar no sonho,

Morrer de ilusão.

Foi como uma espada,

Que fere com palavras,

Paguei preço alto,

De abrir o coração.

Esperança eu mato,

Te sirvo num prato.

Morro eu no chão,

E depois eu sigo me arrastando.

Uma hora eu me levanto,

Limpo, sigo, me exponho.

Sou feita de pedra e prantos,

Não é o primeiro que pisa em meus sonhos.


Veronica Stivanim


Autora: https://clubedeautores.com.br/livros/autores/veronica-stivanim

Blog: https://eupenseihoje.blogspot.com/

Facebook: https://www.facebook.com/veronicastivanim

Instagram: https://www.instagram.com/veronica_stivanim/?hl=pt-br

Posts recentes

Ver tudo

Café

O aroma das manhãs; Expresso Para o primeiro convite; Capuccino Para fortalecer as amizades; Frappe Depois de um amor gostoso; Duplo Debaixo do cobertor acompanhados de um livro; Mocha Fortalecendo os

Por mais Acrósticos

A palavra Amarrotada, Amarrada Cerrada, Cicatrizada, Concluída Rasga-se, Refaz-se, Reproduz-se, Recompõe-se, Recria-se no acróstico. Obliterada, Olvida, Oculta Secreta, Sagrada Transgride, Transver e

Mundo Qualquer

Tenho achado que já não sou firme o bastante pra amolecer se quiser Para rabiscar num papel e ir-me às linhas e achar-me em um mundo qualquer Tenho notado que já sei demais e não sei mais esquecer se