Buscar

Luva

Foi como uma luva,

Fria e gélida,

Meus dedos frios,

Nem sentiram nada.

Estava em casa,

Nem era a minha.

Estava morta,

Ou estava viva?

Esperança sempre,

Mas não para todo sempre.

Esperar por amor,

Que nunca lhe é entregue.

Esperar um sonho,

Uma realização.

Esperar no sonho,

Morrer de ilusão.

Foi como uma espada,

Que fere com palavras,

Paguei preço alto,

De abrir o coração.

Esperança eu mato,

Te sirvo num prato.

Morro eu no chão,

E depois eu sigo me arrastando.

Uma hora eu me levanto,

Limpo, sigo, me exponho.

Sou feita de pedra e prantos,

Não é o primeiro que pisa em meus sonhos.


Veronica Stivanim


Autora: https://clubedeautores.com.br/livros/autores/veronica-stivanim

Blog: https://eupenseihoje.blogspot.com/

Facebook: https://www.facebook.com/veronicastivanim

Instagram: https://www.instagram.com/veronica_stivanim/?hl=pt-br

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u