Buscar

A pele I

A serpente, não se iluda, jamais morre ou envelhece

apenas se despe, enquanto ela mesma outra retece.

Seu ovo é sempre recomeço, nunca início ou herança,

se a vemos morta, é que finge, já tece nosso tropeço.

A serpente não grita, sibilina, sussurra, nos hipnotiza,

precisa pedra paralisa prepara o bote em quem a pisa.

Hermafrodita de duas cabeças, confunde quem a ouve,

as vozes antagônicas, mas é una, embora vária pareça.

Seus dois lábios sibilam e seduzem com lábia medonha,

oferece as duas línguas no beijo bifurcado de peçonha.

Na escuridão da nossa estupidez, nas sombras da nudez,

não vemos o veneno viscoso que escorre do sexo imundo.

A mistura de sangue e sêmen fecunda o ventre do horror,

e espalha os frutos do amor maldito: esses ovos de chumbo.


Lúcio Autran


Do livro Soda Cáustica Soda, autoria de Lúcio Autran, publicado pela Editora Patuá em 2019.

Posts recentes

Ver tudo

Liberdade

Lutando contra as forças Internas e externas, Buscando a felicidade Em todo canto e em cada fresta. Relevante sensação; De fato, relativa. Angústia presente Diversas vezes Escondida. Yuri Nunes Instag

Personificação

Teresa revoluciona ao sentir os gestos que suspendem dizeres e abraçar é uma ação no microcosmo dessa suspensão. Depois iremos forçar os limites da linguagem, escrever para confirmar existências e por

Globalização do amor

Amar na ausência, como se presente fosse, Como se tão perto estivesse, Globalização do amor. Corações planejam a presença, Dia a dia, raras, mas de tanto valor. Encontros que de tão intensos, Marcam,

© Copyright