A pele I

A serpente, não se iluda, jamais morre ou envelhece

apenas se despe, enquanto ela mesma outra retece.

Seu ovo é sempre recomeço, nunca início ou herança,

se a vemos morta, é que finge, já tece nosso tropeço.

A serpente não grita, sibilina, sussurra, nos hipnotiza,

precisa pedra paralisa prepara o bote em quem a pisa.

Hermafrodita de duas cabeças, confunde quem a ouve,

as vozes antagônicas, mas é una, embora vária pareça.

Seus dois lábios sibilam e seduzem com lábia medonha,

oferece as duas línguas no beijo bifurcado de peçonha.

Na escuridão da nossa estupidez, nas sombras da nudez,

não vemos o veneno viscoso que escorre do sexo imundo.

A mistura de sangue e sêmen fecunda o ventre do horror,

e espalha os frutos do amor maldito: esses ovos de chumbo.


Lúcio Autran


Do livro Soda Cáustica Soda, autoria de Lúcio Autran, publicado pela Editora Patuá em 2019.

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: