Buscar

A pele I

A serpente, não se iluda, jamais morre ou envelhece

apenas se despe, enquanto ela mesma outra retece.

Seu ovo é sempre recomeço, nunca início ou herança,

se a vemos morta, é que finge, já tece nosso tropeço.

A serpente não grita, sibilina, sussurra, nos hipnotiza,

precisa pedra paralisa prepara o bote em quem a pisa.

Hermafrodita de duas cabeças, confunde quem a ouve,

as vozes antagônicas, mas é una, embora vária pareça.

Seus dois lábios sibilam e seduzem com lábia medonha,

oferece as duas línguas no beijo bifurcado de peçonha.

Na escuridão da nossa estupidez, nas sombras da nudez,

não vemos o veneno viscoso que escorre do sexo imundo.

A mistura de sangue e sêmen fecunda o ventre do horror,

e espalha os frutos do amor maldito: esses ovos de chumbo.


Lúcio Autran


Do livro Soda Cáustica Soda, autoria de Lúcio Autran, publicado pela Editora Patuá em 2019.

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u