Buscar

A vida recomeça agora

(Re)constrói, Refaz, Levanta

Acredita, Anda, Luta

Mira os novos horizontes

Sem perder a memória do que passou

Cicatriza as feridas

Caminha

Desenha novos horizontes

Auxilia aos outros com teus saberes

Sem medo do contato

Do diálogo

Do olhar fluido e denso

Daqueles sobreviventes e guerreiros como ti

Registra a memória desses momentos

Filmes, livros, fotografias

Brincadeiras, contos, alegrias

Um universo forjado no silêncio

Cultiva os aprendizados do caos

Do ensino que cruza distâncias

Dos mestres sem descanso

Dos alunos sem medo

Dos diálogos guardados pelos experientes

Resguardados no silêncio das suas casas

Acompanhados pelos entes queridos

Que partilham da sua história

Respeita quem foi pra linha de frente

Combater e lutar a parte mais violenta da guerra

Para manter a paz do coletivo

Para garantir o retorno da paz

Cuida daqueles à margem do mundo

Sem condições de limpeza

Sem um teto pra chamar de teu

Mas tão humanos quanto ti

Escuta aos estudiosos

Aqueles que se debruçaram em busca de uma cura

Uma solução

Um meio para derrubar um oponente invisível

Valorize os momentos ao lado dos teus

Como se fossem os primeiros

Únicos em cada momento

Imensos em seus afetos

Compreenda a dimensão do social em ti

No mundo

Sem medo de dar a mão

Nem de pedir socorro

Entenda, por fim, que não está sozinho

Nem no começo

Nem no fim

Nunca

Não se importe com aqueles que vociferam como loucos

Seja forte como um lobo

Auxiliando a sua matilha

Sem acabar morto pela imprudência que domina os tolos.


Miguel Barros

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas