Buscar

Andarilha

Conheci a Lúcia vagando como louca pela Lavagem.

Sua boca arrastava palavras das profundezas.

Coisas que ainda não conheciam explicação.

Palavras com gosto de origens.

Ela espalhava coisas primais pelos caminhos,

Desperdícios.

O povo da Lavagem não entendia seu jeito de vagar.

Ela cuspia por onde passava.

Em cada lagoa de cuspe um beija-flor se alimentava.

O entardecer pousava em seu ombro.

Sua mão servia de guarida para as lagartas.

Aqueles bichinhos se alimentavam ali e depois faziam seus casulos.

Só se via era borboletas voando de suas mãos.

A Lúcia era uma andarilha.



Marcos Andrade Alves dos Santos (Colaborador Oficial Escrita Cafeína)


Instagram: @marcosencante

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u