Buscar

Andarilha

Conheci a Lúcia vagando como louca pela Lavagem.

Sua boca arrastava palavras das profundezas.

Coisas que ainda não conheciam explicação.

Palavras com gosto de origens.

Ela espalhava coisas primais pelos caminhos,

Desperdícios.

O povo da Lavagem não entendia seu jeito de vagar.

Ela cuspia por onde passava.

Em cada lagoa de cuspe um beija-flor se alimentava.

O entardecer pousava em seu ombro.

Sua mão servia de guarida para as lagartas.

Aqueles bichinhos se alimentavam ali e depois faziam seus casulos.

Só se via era borboletas voando de suas mãos.

A Lúcia era uma andarilha.



Marcos Andrade Alves dos Santos (Colaborador Oficial Escrita Cafeína)


Instagram: @marcosencante

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla