Carta ao café

Café aroma de lar

Ritual, despedida de quem vai,

Abraço a quem retorna

Coffea arábica, Coffea canephora,

Coffea liberica, Coffea dewevrei

E as raças secretas de café


Cremes, bolos, infusões

Drinks, balas, canapés

Reversa marihuana

De santos, céticos e sahibs


Aqueduto tônico odoropulsante

Odoropulsar:

Café cuspidor de estrelas,

Regurgitador de luzes

Festim fenomenológico

Reserva moral da literatura


Sol do leite, do creme, do rum

Sol para tantas pressurosas luas

Centro da galáxia


Inimigo do deus do sono Oneiros,

Adversário do deus de gelo Ymir

Multilíngue deus de ébano & trópico


Licor laboral

Elixir de trevas luminosas

Rubro fruto de a noroeste

Do Eufrates e do Tigre

Último pomo a escapar do Paraíso

Antes de seu traslado

De volta ao seio de Deus


Orfeu negro, liquefeita

Cítara

Poema em estado tênsil

Combustível dos Napoleões

Comburente dos Quixotes


Aumente a pressão sanguínea

De nossas ideias,

Aqueça nossa tumultuosa

Solidão campestre ou citadina


Sammis Reachers

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: