Buscar

Carta ao livro de bolso

Adolescido tomo

lanterna dos afogados

paraninfo da literatura

rancho da tropa, democrática

classe econômica

talismã, lítero muiraquitã iniciático

sustentáculo dos sebos, colecionário

de ceitils, centavos e xelins

Ingresso de matinê

na nau de Stevenson, na floresta

de London

na faiscante Paris espachim e amante

dos Dumas

condensário das imensidões

de Moby Dick ao pai Quixote

dramas d’antanho em prosa e papel jornal

poemas seletos lidos com lenta pressa

enquanto sacoleja o bonde ou o busão

lâmpada de celulose que exulta

na cama de solteiro do quartinho dos fundos

tanto te devemos, fiador dos desamparados

bengala dos moços, livro de bolso


Sammis Reachers


Instagram: @sammisreachers

Posts recentes

Ver tudo

Entre nós e maresia

Éramos 12. Perambulantes. Numa mistura que nos dava coesão. Andávamos como só naquela época podíamos, despreocupados e com todo o tempo a nosso dispor. Adolescentes, jovens, amigos. Éramos um. Grupo s

Desencontro Virtual

Já não quero receber teu abraço Meu corpo ressente Este corpo que recentemente é só meu Não há toque virtual As vezes evito teu olhar Ele me assusta e me desafia Acho que me desestabiliza E fecho a câ

Morre o sol e nasce a lua

O Sol sabe se retirar, Após brilhar um dia inteiro. Sabe a hora exata de recolher o brilho, E nunca é passageiro. Ele volta no dia seguinte, Ainda que as nuvens venham fortes, Ele nunca sucumbe, Ainda

© Copyright