Buscar

Carta ao livro de bolso

Adolescido tomo

lanterna dos afogados

paraninfo da literatura

rancho da tropa, democrática

classe econômica

talismã, lítero muiraquitã iniciático

sustentáculo dos sebos, colecionário

de ceitils, centavos e xelins

Ingresso de matinê

na nau de Stevenson, na floresta

de London

na faiscante Paris espachim e amante

dos Dumas

condensário das imensidões

de Moby Dick ao pai Quixote

dramas d’antanho em prosa e papel jornal

poemas seletos lidos com lenta pressa

enquanto sacoleja o bonde ou o busão

lâmpada de celulose que exulta

na cama de solteiro do quartinho dos fundos

tanto te devemos, fiador dos desamparados

bengala dos moços, livro de bolso


Sammis Reachers


Instagram: @sammisreachers

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla