Buscar

Cheios de Certeza (Priscila Guimarães)

Certezas enraizadas, quando fragilizadas, são devoradas e degustadas na mesa dos esfomeados. Uns apreciam, degustam e lambem os dedos. Outros arregalam os olhos e narinas. Desviam o faro e o tato. Não sentem o prazer do cheiro e seguem enojados. Nada por dizer, nada por sentir! Pobres almas sedentas de vida e sólidas certezas!

Posts recentes

Ver tudo

Touch

No instante tardio, entre laços frágeis, tênues, corrompidos, buscamos, sobretudo, aquilo que nos transpassa, ainda que para isso restem apenas lamentos. E embora cansados e vencidos, suspiraremos ext

A vírgula (Aline Bischoff)

Tão pequena E tão importante. Precede grandes desfechos. Possibilita recomeços. Faz separação. Muda a significação. Uma pausa. Uma respiração. Uma delimitação. Um sinal de pontuação.

Quadrinha 3 (Susi Dalí)

No ruído das ruas, O silêncio contagia; Ressoa nesta gleba, Gritos de hipocrisia.

© Copyright