Buscar

Cheios de Certeza (Priscila Guimarães)

Certezas enraizadas, quando fragilizadas, são devoradas e degustadas na mesa dos esfomeados. Uns apreciam, degustam e lambem os dedos. Outros arregalam os olhos e narinas. Desviam o faro e o tato. Não sentem o prazer do cheiro e seguem enojados. Nada por dizer, nada por sentir! Pobres almas sedentas de vida e sólidas certezas!

Posts recentes

Ver tudo

Poesia póstuma (Jaciara Mendes)

A passos em um caminho que um dia me levou, eu regressava. Reconheci minhas pegadas no chão de terra batida, cobertas pela poeira do tempo, ora nítidas, ora incertas, elas me fizeram refletir sobre as

Solitude (Cintia Santos)

“A solitude que me passa nas horas vagas permeia por entre as entranhas, estranheza de uma vida insólita.”

Saudade (Duquesa da Poesia)

Não há saudade que retorne, Depois de tudo, Do caos no infinito, Resta o silencio da alma, Ainda que ficasses sentado, Eu não esperaria, Pois não me chamo Eternidade.