Buscar

Ciência Exata


3,54% morrerão

apenas

0,33% serão chorados

58,65%

festejados

falecerão

39,33547%

nos leitos lotados

dos hospitais

37,495%

enterrados sem lágrimas

relembrados

em fotos digitais,

13,43%

abandonados


agonizarão nas esquinas

num aquário vazio

o ar tardio

38,87%

apodrecerão em dados

rigorosamente científicos


fedendo fendendo

absurdos abismos.

Também morrerão:

87, 1254671954832% de minha mãe

79,24458988741543% da mulher que amo

91,33333333333333% de meus filhos

e pagarei com a dízima

o dízimo devido à dor

desses, do que faltar para os 100%

33,4% serão memórias

66,6% (mísera cabala) vagas imagens

dos corpos

nas covas solitárias


súbito, num susto no átimo de 0,000000001% de um segundo verei


no sinal

%


per

cen

tual


o símbolo sinistro

o signo do silêncio

de uma forca

onde meu corpo

balançará ao vento

21,5454789%

do tempo.

Em 100% do Nada



Lúcio Autran



Do livro A DEMÊNCIA DO TEMPO - Poesia para não enlouquecer ou manual de sobrevivência- um diário poético da quarentena sob o signo de um Poder demente - em andamento


Visite: http://lucioautran.blogspot.com.br/ Visite e curta: https://www.facebook.com/lucioautranfragmentosexiliovoluntario/


Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla