top of page

Corpo Cacto

Expressamente resoluto Fincando-me em minha própria raiz, Debaixo de uma lâmpada-sol, Meu grito tornou-se um espinho. Textualmente monossílabo, Pouca água, garganta seca. A batalha pontiaguda desacelera meu passo E faz da voz um deleite de dor. Espessamente encorpado, O fôlego do organismo renasce. Como prece esverdeada no deserto, Há vida sim (apesar da coita existencial). É florescer sem sombra, É turbilhar sem pompa, É virar um cacto, É início do último ato.


Felipe Hilan

Posts recentes

Ver tudo

Cavaleiro Negro (Aline Bischoff)

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Brinquedos (Alessandra Barcelar)

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Múltiplas (Valéria Pisauro)

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Opmerkingen


Deixe seu comentário:
bottom of page