Buscar

Desfragmentos de mim

Queria dizer assim – Me belisca!...

É um sonho, preciso logo acordar.

Quero olhar como quem pisca...

e voltar do sonho com alma mística.

Mas as palavras me fogem, ariscas...

e não arrisco esse despertar.

Queria dizer trisca em mim, trisca...

mas nada me leva a morder a isca.

Sei que feliz ou infeliz , sigo à risca...

Hei de decifrar esse enigma milenar:

Um sonho dentro do sonho confisca

outro sonho... e sonha outra logística

Minha mão cede às palavras, e só rabisca

que o sonho há de ser como o navegar,

que leva acenos a quem um doce petisca,

e segue sem volta, a vida toda heurística.

A minha voz ecoa e segue sarcástica,

a me dizer sem pena – Sonhe o sonhar,

nada há de superar uma veia artística...

e a parte e o todo em atitude holística.

Então a vida me flerta, acena-me turística,

como um passeio exitoso, mais que salutar...

Encontro neste sonho uma outra linguística,

uma epifania às avessas, plena, humanística!...


Celso Lopes

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u