Buscar

Desfragmentos de mim

Queria dizer assim – Me belisca!...

É um sonho, preciso logo acordar.

Quero olhar como quem pisca...

e voltar do sonho com alma mística.

Mas as palavras me fogem, ariscas...

e não arrisco esse despertar.

Queria dizer trisca em mim, trisca...

mas nada me leva a morder a isca.

Sei que feliz ou infeliz , sigo à risca...

Hei de decifrar esse enigma milenar:

Um sonho dentro do sonho confisca

outro sonho... e sonha outra logística

Minha mão cede às palavras, e só rabisca

que o sonho há de ser como o navegar,

que leva acenos a quem um doce petisca,

e segue sem volta, a vida toda heurística.

A minha voz ecoa e segue sarcástica,

a me dizer sem pena – Sonhe o sonhar,

nada há de superar uma veia artística...

e a parte e o todo em atitude holística.

Então a vida me flerta, acena-me turística,

como um passeio exitoso, mais que salutar...

Encontro neste sonho uma outra linguística,

uma epifania às avessas, plena, humanística!...


Celso Lopes

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla