Buscar

Desfragmentos de mim

Queria dizer assim – Me belisca!...

É um sonho, preciso logo acordar.

Quero olhar como quem pisca...

e voltar do sonho com alma mística.

Mas as palavras me fogem, ariscas...

e não arrisco esse despertar.

Queria dizer trisca em mim, trisca...

mas nada me leva a morder a isca.

Sei que feliz ou infeliz , sigo à risca...

Hei de decifrar esse enigma milenar:

Um sonho dentro do sonho confisca

outro sonho... e sonha outra logística

Minha mão cede às palavras, e só rabisca

que o sonho há de ser como o navegar,

que leva acenos a quem um doce petisca,

e segue sem volta, a vida toda heurística.

A minha voz ecoa e segue sarcástica,

a me dizer sem pena – Sonhe o sonhar,

nada há de superar uma veia artística...

e a parte e o todo em atitude holística.

Então a vida me flerta, acena-me turística,

como um passeio exitoso, mais que salutar...

Encontro neste sonho uma outra linguística,

uma epifania às avessas, plena, humanística!...


Celso Lopes

Posts recentes

Ver tudo

Café

O aroma das manhãs; Expresso Para o primeiro convite; Capuccino Para fortalecer as amizades; Frappe Depois de um amor gostoso; Duplo Debaixo do cobertor acompanhados de um livro; Mocha Fortalecendo os

Por mais Acrósticos

A palavra Amarrotada, Amarrada Cerrada, Cicatrizada, Concluída Rasga-se, Refaz-se, Reproduz-se, Recompõe-se, Recria-se no acróstico. Obliterada, Olvida, Oculta Secreta, Sagrada Transgride, Transver e

Mundo Qualquer

Tenho achado que já não sou firme o bastante pra amolecer se quiser Para rabiscar num papel e ir-me às linhas e achar-me em um mundo qualquer Tenho notado que já sei demais e não sei mais esquecer se