Buscar

Dos olhares no tempo

No corre-corre da cidade grande

Múltiplos passos se perdem pelo caminho

Às vezes vazios, às vezes repletos

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

A rotina massacra os dias

Os desejos somem

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

Os anseios que, resilientes, resistem

A vontade que pulsa

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

As faíscas que nascem do acaso

Adormecidas, surpresas, vivas

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

A prosa que se desenvolve sem pressa e compromisso

A experiência que se desenvolve na leveza

E o caminhar que flui

No corre-corre da cidade grande

O tempo que desacelera

A vida que emerge

Os sentidos se expandem

No corre-corre da cidade grande

A prosa se acaba e o relógio volta a correr

Seríamos os mesmos de antes?

Ou estaríamos diferentes?

Não sei, só sei que foi assim

Diz o poeta

Eu nada digo

Apenas aguardo pelas próximas fogueiras



Miguel Barros

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla