Buscar

Dos olhares no tempo

No corre-corre da cidade grande

Múltiplos passos se perdem pelo caminho

Às vezes vazios, às vezes repletos

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

A rotina massacra os dias

Os desejos somem

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

Os anseios que, resilientes, resistem

A vontade que pulsa

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

As faíscas que nascem do acaso

Adormecidas, surpresas, vivas

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

A prosa que se desenvolve sem pressa e compromisso

A experiência que se desenvolve na leveza

E o caminhar que flui

No corre-corre da cidade grande

O tempo que desacelera

A vida que emerge

Os sentidos se expandem

No corre-corre da cidade grande

A prosa se acaba e o relógio volta a correr

Seríamos os mesmos de antes?

Ou estaríamos diferentes?

Não sei, só sei que foi assim

Diz o poeta

Eu nada digo

Apenas aguardo pelas próximas fogueiras



Miguel Barros

Posts recentes

Ver tudo

Liberdade

Lutando contra as forças Internas e externas, Buscando a felicidade Em todo canto e em cada fresta. Relevante sensação; De fato, relativa. Angústia presente Diversas vezes Escondida. Yuri Nunes Instag

Personificação

Teresa revoluciona ao sentir os gestos que suspendem dizeres e abraçar é uma ação no microcosmo dessa suspensão. Depois iremos forçar os limites da linguagem, escrever para confirmar existências e por

Globalização do amor

Amar na ausência, como se presente fosse, Como se tão perto estivesse, Globalização do amor. Corações planejam a presença, Dia a dia, raras, mas de tanto valor. Encontros que de tão intensos, Marcam,

© Copyright