Buscar

Dos olhares no tempo

No corre-corre da cidade grande

Múltiplos passos se perdem pelo caminho

Às vezes vazios, às vezes repletos

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

A rotina massacra os dias

Os desejos somem

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

Os anseios que, resilientes, resistem

A vontade que pulsa

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

As faíscas que nascem do acaso

Adormecidas, surpresas, vivas

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

A prosa que se desenvolve sem pressa e compromisso

A experiência que se desenvolve na leveza

E o caminhar que flui

No corre-corre da cidade grande

O tempo que desacelera

A vida que emerge

Os sentidos se expandem

No corre-corre da cidade grande

A prosa se acaba e o relógio volta a correr

Seríamos os mesmos de antes?

Ou estaríamos diferentes?

Não sei, só sei que foi assim

Diz o poeta

Eu nada digo

Apenas aguardo pelas próximas fogueiras



Miguel Barros

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u