Buscar

Dos olhares no tempo

No corre-corre da cidade grande

Múltiplos passos se perdem pelo caminho

Às vezes vazios, às vezes repletos

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

A rotina massacra os dias

Os desejos somem

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

Os anseios que, resilientes, resistem

A vontade que pulsa

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

As faíscas que nascem do acaso

Adormecidas, surpresas, vivas

Com o caminhar gritante que dita o ritmo

No corre-corre da cidade grande

A prosa que se desenvolve sem pressa e compromisso

A experiência que se desenvolve na leveza

E o caminhar que flui

No corre-corre da cidade grande

O tempo que desacelera

A vida que emerge

Os sentidos se expandem

No corre-corre da cidade grande

A prosa se acaba e o relógio volta a correr

Seríamos os mesmos de antes?

Ou estaríamos diferentes?

Não sei, só sei que foi assim

Diz o poeta

Eu nada digo

Apenas aguardo pelas próximas fogueiras



Miguel Barros

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas