Buscar

Fotopoema


Chove torrencialmente no primeiro dia do verão. A ironia é o útero de Deus. Miro o plexo solar e vejo aquarela, tom de rosa que brilha quando a luz se desfaz às 17h17min e nos revela que o contar das horas é uma ilusão, que o real é feito da substância que gera os sonhos.

O menino está agora sem as tiras do chinelo, esse que se perdeu nas águas da cidade, na esquina do poste que se apagou.

É preciso respirar, tal como abrir a janela e constatar a beleza dos raios.

O mundo é um livro aberto e o bater dos cílios é o virar das páginas.

Eis aqui um sorriso,

beijo,

sparkling cósmico dourado de micropartículas que sobem,

que sobem!

Fotogramas do poema que explode como o corpo do menino encontrado,

essa dor ainda sem nome.

Máquina revolucionária: a descoberta de um novo afeto, o ponto até então desconhecido.

A matemática dos dias,

intensidade das vivências imensuráveis

as exceções dos corações sem réguas.

Você chegará,

mas o que farei com essa alegria?


Vandia Leal


Instagram: @vanrleal


Texto retirado do livro In-quietudes de Vandia Leal. Padê Editorial - Cole-sã escrevivências, n. 13.

http://pade.lgbt/loja/vandia-leal-in-quietudes/

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla