Buscar
  • Aline Pedrosa

Imutável

Meu coração certamente tem marcas, estrias até, penso. De tanto que aumenta e encolhe, tem essa herança, como a gente, no vai e vem do peso. Cicatrizes também tenho, e assim sendo, já não sangram, de fato, mas me saltam aos olhos e ouvidos gritando: veja bem! Lembre todo o sofrimento para que chegássemos até aqui. Sigo com essas marcas, fora as de nascença e genéticas: sinais, expressões, fazer u com a língua e meu lóbulo solto da orelha, fruto de um alelo dominante, pois é, dominante. Sou canhota, alelos específicos causam isso também. Diz a ciência que canhotos são aproximadamente 0,51 segundos mais rápidos que destros. Quando descobrir a vantagem desse tempo, faça algum sentido para mim. Tudo é muito relativo. Saber da atuação genética desses alelos que me compõem, só me faz compor meus universos paralelos. Mas sou eu, que sempre estive no meu comando, que hoje esqueço as marcas, sinais e expressões, para me reinventar e manter só o imutável que há em mim.

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla