Buscar

Infância

O tilintar das chinelas tocando o chão

A poeira que voa com o vento embotando a vista

O cheiro de bolo advindo da cozinha

Aquele pé de Abacate na varanda, palco de inúmeras peripécias na infância

A boa saudade

A correria nos corredores

O jogo de bola na garagem

O banheiro esquisito que só tinha um buraco sem fundo

A curiosidade aguçada de moleques em desbravar aquele mundo

A boa saudade

Os adultos que se dividiam entre a briga e a inveja da molecada

O tempo que parecia não passar entre as brincadeiras

A ausência de doenças violentas para trancar todos em suas casas

Os risos dos que começam misturados com aqueles que estão no meio do caminho

A boa saudade

Os aprendizados que ficam

O tempo que passa

As crianças que crescem e têm outras crianças

Os ciclos que se renovam

As novas histórias que se escrevem na roda da vida


Miguel Barros

Instagram: @bmiguelpereira

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla