Buscar

Mata-borrão

Um mato de fim de era

Fechou o caminho velho

De rua não transitada

De nome já esquecido

Mata-pasto, mato grosso, mato alto

Mato rua, nome velho e memória

Ainda apago da lembrança a história

Do perjuro que me fez morrer à míngua

Virou a história lenda

A lenda tornou-se mito

E o mito morto o Estado

Do “nada havia antes"

Mata-pasto, mato grosso, mato alto

Mata a rua que morria devagar

E a foice e a enxada que matou

Marmeleiro que sequer disse um ai

Parede virou tijolo

Tijolo voltou a barro

E o barro assentado solo

Do limbo que nada lembra.

Sepultei a casa velha cuja alma

Já havia desabado para o sul

Onde a alma do negócio se mantém

Do vintém que aliena o homem nu.


Leandro Costa


Instagram: @entrearvoresememorias

Podcast TEAR: https://open.spotify.com/episode/2Eh5r2u7vlDqmqXW0H0ac5?si=TZuAxiKPTdyiDQTLGFba-w

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla