Mata-borrão

Um mato de fim de era

Fechou o caminho velho

De rua não transitada

De nome já esquecido

Mata-pasto, mato grosso, mato alto

Mato rua, nome velho e memória

Ainda apago da lembrança a história

Do perjuro que me fez morrer à míngua

Virou a história lenda

A lenda tornou-se mito

E o mito morto o Estado

Do “nada havia antes"

Mata-pasto, mato grosso, mato alto

Mata a rua que morria devagar

E a foice e a enxada que matou

Marmeleiro que sequer disse um ai

Parede virou tijolo

Tijolo voltou a barro

E o barro assentado solo

Do limbo que nada lembra.

Sepultei a casa velha cuja alma

Já havia desabado para o sul

Onde a alma do negócio se mantém

Do vintém que aliena o homem nu.


Leandro Costa


Instagram: @entrearvoresememorias

Podcast TEAR: https://open.spotify.com/episode/2Eh5r2u7vlDqmqXW0H0ac5?si=TZuAxiKPTdyiDQTLGFba-w

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: