Buscar

Mata-borrão

Um mato de fim de era

Fechou o caminho velho

De rua não transitada

De nome já esquecido

Mata-pasto, mato grosso, mato alto

Mato rua, nome velho e memória

Ainda apago da lembrança a história

Do perjuro que me fez morrer à míngua

Virou a história lenda

A lenda tornou-se mito

E o mito morto o Estado

Do “nada havia antes"

Mata-pasto, mato grosso, mato alto

Mata a rua que morria devagar

E a foice e a enxada que matou

Marmeleiro que sequer disse um ai

Parede virou tijolo

Tijolo voltou a barro

E o barro assentado solo

Do limbo que nada lembra.

Sepultei a casa velha cuja alma

Já havia desabado para o sul

Onde a alma do negócio se mantém

Do vintém que aliena o homem nu.


Leandro Costa


Instagram: @entrearvoresememorias

Podcast TEAR: https://open.spotify.com/episode/2Eh5r2u7vlDqmqXW0H0ac5?si=TZuAxiKPTdyiDQTLGFba-w

Posts recentes

Ver tudo

Liberdade

Lutando contra as forças Internas e externas, Buscando a felicidade Em todo canto e em cada fresta. Relevante sensação; De fato, relativa. Angústia presente Diversas vezes Escondida. Yuri Nunes Instag

Personificação

Teresa revoluciona ao sentir os gestos que suspendem dizeres e abraçar é uma ação no microcosmo dessa suspensão. Depois iremos forçar os limites da linguagem, escrever para confirmar existências e por

Globalização do amor

Amar na ausência, como se presente fosse, Como se tão perto estivesse, Globalização do amor. Corações planejam a presença, Dia a dia, raras, mas de tanto valor. Encontros que de tão intensos, Marcam,

© Copyright