top of page

Ondulações

Num momento acidental incidimos precipitadamente. Como duas ondas paralelas que se avistam de longe e realizam, existindo, o paradoxo de encontrarem-se como fruto da mesma água e, ainda assim, permanecerem em desencontro. Se da mesma água surgimos haveríamos pela mesma força de nos reunirmos entre tantas ondulações. Deu-se, por fim, essa junção, há muito improvável e ao mesmo tempo predestinada. O tempo tem dessas artimanhas, gosta de ser senhor da vida e acontecer a modo imprevisto. O que acontece na junção de águas que percorreram caminhos diferentes para se encontrar é atemporal, urgente e impreciso. Diluem-se os espaços e os contornos. Ultrapassa-se o tempo do destino e destinos se subjugam aos instantes infindáveis de transbordamento. Dessa mistura que se alastra nova onda de sentidos e um sentir que faz volume, espuma e impulso. Mesma onda agora inteira a quebrar e se refazer na borda da vida. Num momento preciso nos unimos incontornavelmente.

Posts recentes

Ver tudo

Cavaleiro Negro (Aline Bischoff)

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Brinquedos (Alessandra Barcelar)

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Múltiplas (Valéria Pisauro)

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário:
bottom of page