Buscar
  • Carine Mendes

Ondulações

Num momento acidental incidimos precipitadamente. Como duas ondas paralelas que se avistam de longe e realizam, existindo, o paradoxo de encontrarem-se como fruto da mesma água e, ainda assim, permanecerem em desencontro. Se da mesma água surgimos haveríamos pela mesma força de nos reunirmos entre tantas ondulações. Deu-se, por fim, essa junção, há muito improvável e ao mesmo tempo predestinada. O tempo tem dessas artimanhas, gosta de ser senhor da vida e acontecer a modo imprevisto. O que acontece na junção de águas que percorreram caminhos diferentes para se encontrar é atemporal, urgente e impreciso. Diluem-se os espaços e os contornos. Ultrapassa-se o tempo do destino e destinos se subjugam aos instantes infindáveis de transbordamento. Dessa mistura que se alastra nova onda de sentidos e um sentir que faz volume, espuma e impulso. Mesma onda agora inteira a quebrar e se refazer na borda da vida. Num momento preciso nos unimos incontornavelmente.

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla