Buscar

Política - da Filosofia à Neurociência



"A finalidade da vida política é o melhor dos fins,

fazer com que os cidadãos

sejam bons e capazes de nobres ações"

Quem afirmou isso? Aristóteles, em Ética a Nicômano.

Há fatos curiosos sobre filósofos, estes seres ingênuos e bons, que aparecem de tempos em tempos sobre a Terra. Confúcio ameaçava ser uma boa influência para o principado de Lu, e o vizinho teve uma brilhante ideia: enviou 80 mulheres jovens de presente ao governante, que passou a dar a elas mais atenção que ao sábio (e que ao governo). Assim, a equanimidade e a justiça passaram a segundo plano...e Confúcio, desgostoso, foi passear com seus discípulos procurando em vão quem o escutasse.

Platão enfiou na cabeça a ideia de doutrinar o tirano de Siracusa e convencê-lo a implantar sua sonhada "República". Resultado: acabou preso. E não fosse a intervenção de amigos atenienses que pagaram por seu resgate, dificilmente escaparia de ser assassinado.

Eu tive um ingênuo professor de ética que enveredou pela política e sonhou passar de vereador a prefeito. O bom homem tinha escrúpulos de votar em si mesmo e propôs a outro colega vereador, também candidato, que votassem um no outro. O leitor já adivinhou? No resultado - confiável, porque naquelas jurássicas eras a gente escrevia na cédula de papel - o coitado não teve nenhum voto. Zero.

E a família dele? - perguntarão. Sei que ele se divorciou.

Colegas meus, honestos e corajosos, recebiam telefonemas anônimos na calada da noite: "Melhor retirar sua candidatura. Seu filho/sobrinho/neto estuda em tal escola e mora em tal lugar. Entendeu?". Todos entenderam.

Quem conhece informática sabe como é fácil manipular um programa de contagem. Basta inserir uma linha de comando: quando o inimigo X atingir 49% do total, toda contagem subsequente será lida como Y. Não tendo o comprovante em papel, quem vai refutar a tramoia?

Kant afirma que todo homem tem o mesmo propósito na vida: ser feliz. O que ele não esclarece é porque alguns acreditam que para serem felizes devem destruir a felicidade dos outros. Vem em nosso socorro a neurociência: falta ao cérebro desses desgraçados os neurônios espelhos, aquelas preciosas celulazinhas cinzentas responsáveis pelo amor, simpatia e compaixão. Cada uma dessas emoções têm circuitos cerebrais ligeiramente diferentes.

Então, perguntará o leitor, as pessoas que não seguem a regra de ouro, que não têm os tais neurônios espelhos, não são normais? Não! O que elas são? Psicopatas. Não se assuste leitor! É fato sabido por todo psiquiatra que a maioria dessa gente não mata, não estupra e não rouba; no máximo inferniza a vida dos colegas do escritório.

A maldade verdadeira se revela em menos de 1% da população. Falo dos loucos por poder, os que não se deterão diante de nada. Menos de 1% de gente gananciosa e sem escrúpulo levaram nosso planetinha azul à beira do colapso. Nós, os normais, somos 99%. Vamos agir?

Sonia Rodrigues