Buscar

Por amor ou justiça (Bloco III)



CENA 14: APARTAMENTO DA ROSANA – SALA DE ESTAR – INT/NOITE


CAIO ENTRA EM CENA CORRENDO TENDO AO SEU ENCALÇO LUCAS E ANINHA. LUCAS CONSEGUE ALCANÇÁ-LO, AGARRANDO-O E SOCANDO SEU ESTÔMAGO OUTRA VEZ. CAIO VAI AO CHÃO. ANINHA SEGURA O NOIVO QUE TENCIONA IMOBILIZAR O JOVEM PELA CAMISA.

LUCAS

Não vai escapar desgraçado... Me larga Aninha.


ANINHA (aflita)

Não, Lucas!


LUCAS

Vou te levar para a delegacia e jogar você no xadrez... Vai pagar pelo que fez à sua irmã, por ter matado o Mauro e por ter aterrorizado pessoas de bem... Vai se arrepender!


CAIO (desafiador)

Não pode me prender sem provas.


LUCAS

Sua irmã é testemunha do crime...


CAIO (fingindo-se de frágil)

Aninha não vai fazer isso com o único irmão! A minha maninha não vai destruir nossa família... Não é mesmo, Aninha?


ANINHA (confusa)

Eu... O que eu direi a minha mãe, Lucas? Isso seria a morte para ela.


CORTA


CENA 15: APARTAMENTO DA ROSANA – SALA DE ESTAR – INT/DIA


EM CENA MARIA E ROSANA TOMAM CAFÉ E ESTÃO SENTADAS NO MESMO ESTOFADO. ANINHA SE MOSTRA PENSATIVA E TRISTE, SENTADA NO ESTOFADO DO LADO OPOSTO A AMBAS.


MARIA (um pouco desmotivada)

Deveria ter me contado que o Lucas tinha se afastado do caso, Aninha. Só fiquei sabendo hoje, quando foi depor novamente... Espero que esse delegado Alvarenga e o detetive Fonseca sejam competentes... Mas, por que o seu noivo resolveu se afastar do caso?



ROSANA (surpresa)

O Lucas se afastou do caso?... Agora que não estou entendendo! Faz dois dias que ele não aparece aqui e agora essa novidade... Vocês brigaram filha? Por quê?


ANINHA (dissimulando a tristeza e nervosismo)

Não foi exatamente uma briga.


MARIA

Já recebeu o chamado para ir depor Aninha?


ANINHA

Será depois de amanhã.


ROSANA

Vou falar com o Lucas. Ele não pode deixar você ir à delegacia sozinha!... Mesmo que estejam brigados, ele...


ROSANA INCLINA-SE PARA DEPOSITAR A XÍCARA NA BANDEJA SOBRE O CENTRO QUANDO MARIA VÊ A CORRENTE QUE ELA TEM NO PESCOÇO.


MARIA (surpresa)

Minha nossa!... Posso olhar essa corrente Dona Rosana?


LOGO SE APROXIMA E OBSERVA A CORRENTE, DEMONSTRA CONFUSA E SURPRESA.


MARIA

Quem lhe deu? Onde a senhora comprou?


ROSANA (orgulhosa)

Foi o Caio quem me deu. É linda, não é?


CAIO CHEGA SE MOSTRA BASTANTE NERVOSO AO VER MARIA ANALISANDO A CORRENTE QUE ESTÁ NO PESCOÇO DE SUA MÃE.


MARIA

Ela parece com a minha que foi levada no assalto! A corrente que minha avó me deu nos meus quinze anos!... Nunca tinha visto outra igual, até parece...


CAIO (disfarçando o nervosismo)

Então sua avó deve ter encomendado ao mesmo velhote que comprei!


ANINHA (num sorriso nervoso, confuso)

Comprou?... Realmente!... Não só essa como todas as joias que ele presenteou a mamãe e a mim...


LEVANTA-SE E VAI SE ENCAMINHANDO PARA A PORTA E APÓS CONCLUIR A FALA, RETIRA-SE PELA PORTA PRINCIPAL, A PORTA PELA QUAL CAIO ACABA DE ENTRAR. MARIA E ROSANA FICAM CONFUSAS E CAIO ASSUSTADO, UM POUCO REFLEXIVO.


ANINHA

Vou a casa do Lucas, preciso conversar com ele.


CORTA


CENA 16: APARTAMENTO DO LUCAS – SALA DE ESTAR – INT/DIA


EM CENA ANINHA E LUCAS CONVERSAM. LUCAS, IRRITADO, ESTÁ SENTADO NUMA POLTRONA E ANINHA CAMINHA DE UM LADO PARA O OUTRO.


ANINHA (preocupada)

Por que resolveu se afastar do caso?... Pensei que nunca diria isso, mas, sua carreira é sua vida! Ser delegado, correr atrás de bandidos, trocar tiros com assaltantes... Tudo isso faz parte de você.


LUCAS (triste, cabisbaixo)

Também pensava que correr riscos, defender aos cidadãos, lutar por justiça era a minha vida. Mas depois que ouvi sua conversa com o Caio e vi que o marginal que procurava é o irmão da mulher que amo... Fiquei entre a cruz e a espada! Se prendesse o seu irmão também estaria abrindo mão da minha vida porque... perderia você!... Por isso, resolvi me afastar do caso... Não quero te perder!


COMOVIDA, ANINHA SE SENTA AO LADO DO HOMEM QUE FOGE DE SEU OLHAR. ELA O FAZ ENCARÁ-LA.


ANINHA

Não vai me perder, meu amor!... Sei o quanto significa a carreira para você e o quanto é digno e justo... Por isso gostaria de saber o que fará se eu não entregar o meu irmão.


LUCAS

Não se preocupe! Resolvi investir em minha carreira de advogado... Conheço muita gente da área e...


ANINHA (surpresa, aflita)

Vai abandonar a carreira?... Não!!

LUCAS

Sempre reclamou dos riscos que eu corria e até me pediu para deixar de correr atrás de bandidos! Não quero sair de casa e lhe deixar apreensiva... Aninha ao fechar os olhos para o que o Caio fez, me tornarei um cúmplice!... Compreendo sua atitude, ele é seu irmão. Mas... me tornei um delegado por ter nojo das pessoas que maltratam, machucam, matam e roubam pessoas de bem...


LUCAS LEVANTA-SE, FUGINDO DO COMOVIDO CHORO DA NOIVA.


LUCAS (um pouco irritado)

Não era à toa que eu sempre me via nos filmes de ação como o herói que acabava com a raça dos bandidos!... Se eu continuar nessa profissão, sabendo quem é o marginal que matou uma pessoa e aterrorizou outras, não estaria sendo melhor que ele, não seria digno de representar a lei!

ANINHA (chorando)

Mas abandonar a carreira significará sua morte!


CORTA


CENA 17: APARTAMENTO DE ROSANA – QUARTO DA ANINHA – INT/DIA


EM CENA ANINHA E CAIO. ELA SE MOSTRA FURIOSA, INDIGNADA. ENQUANTO CAIO ESTÁ APREENSIVO.


ANINHA

É cínico! Pratica os crimes e com a maior cara-de-pau traz os furtos e dá a mamãe e a mim de presente... Tudo que faz é premeditado... Induzia o Lucas a lhe contar os planos para capturar você e seus comparsas; inventou esse emprego de entregador de pizza só para ter um pretexto para sair sem levantar suspeitas; ligou para o Lucas e inventou a história de que eu queria falar com ele só para ele ir me buscar... Suas intenções eram de matar o Mauro sim! Simplesmente não contava com a presença de uma testemunha... Posso até apostar que se eu não fosse sua irmã, talvez tivesse o mesmo fim do meu melhor amigo ou estaria agonizando num leito de hospital como o seu comparsa.


CAIO (aflito)

Não! Eu só queria dar um susto nele... Mas, o fato de estar presente me deixou nervoso e... Antes do Mauro, eu nunca tinha ferido ninguém, Aninha.


APROXIMA-SE DA IRMÃ QUE PAROU DIANTE DA JANELA, CONTUDO, A MESMA ENCARA-O COM FÚRIA E ESQUIVA-SE, INDO PARA UM CANTO DO QUARTO.


ANINHA (irônica)

É mesmo? E a Maria?


CAIO

Foi o desgraçado do Rex que feriu... Se quiser, pergunte a ela!... Maninha, nunca tive a intenção de me tornar um ladrão e por várias vezes tentei parar, mas... eu já estava muito envolvido e sofri ameaças... nada justifica o meu erro, sei disso...


VAI SENTAR-SE NA CAMA E PÕE-SE CABISBAIXO, TRISTE.


CAIO (muito triste)

Por pensar que tudo começou com borrachas, lápis, canetas e os lanches dos outros garotos na escola... Aquela sensação de vitória, de conquista e de poder que eu sentia a cada êxito!... Além do mais, a minha astúcia e coragem eram sempre postas à prova. A única diversão que eu e minha turma tínhamos no intervalo, eram os desafios que um fazia para o outro. Tudo para conquistar o respeito e a liderança do grupo! A cada novo colega que me apresentavam eu ia me envolvendo ainda mais e, de simples material escolar, passaram as bijuterias, joias, roupas, tênis...


ANINHA VOLTA A ATENÇÃO PARA O MESMO E POR ALGUNS INSTANTES SE MOSTRA COMPADECIDA. CONTUDO, SUA REVOLTA E INDIGNAÇÃO TOMAM O CONTROLE NOVAMENTE.


ANINHA (chorando)

Você não é o Caio, meu irmãozinho.

CAIO (também chora)

Sei disso! Eu me tornai um monstro... Por querer mostrar o quanto sou corajoso e audacioso, acabei matando um amigo e... essa culpa vai me acompanhar até o fim dos meus dias...


LEVANTA-SE E APROXIMA-SE DA IRMÃ QUE O ENCARA.


CAIO

Por favor, Aninha! Não me entregue... me ajude a vencer esse desejo doentio que não me deixa em paz!


ANINHA

Não é tão simples, Caio. Matou o Mauro e aterrorizou muitas pessoas!... A polícia não vai descansar enquanto não puser a mão em você e em seus comparsas. Nenhum crime é perfeito! Eles vão descobrir um erro e chegar até você.


CAIO

É a única pessoa que pode dar a eles o que querem. Tudo depende de você maninha!


CORTA


CENA 18: APARTAMENTO DE ROSANA – QUARTO DA ANINHA – INT/DIA


EM CENA ANINHA - QUE ESTÁ SENTADA NA CAMA RECOSTADA EM SEU TRAVESSEIRO, PENSATIVA E TRISTE - E LUCAS QUE IRRITADO ANDA DE UM LADO PARA O OUTRO.


LUCAS

Sei que é seu irmão, mas ele é muito dissimulado, meticuloso!... Com certeza está representando, está dando um de Madalena arrependida só para te sensibilizar.


ANINHA (triste)

Me sinto culpada. Talvez, se eu não tivesse contado o que o Mauro estava fazendo, tudo isso não tivesse acontecendo.


LUCAS PÁRA E VOLTA A ATENÇÃO PARA A NOIVA, SURPRESO COM O QUE OUVIU.


LUCAS

Não se culpe! Não sabia que seu irmão é o líder da gangue que está aterrorizando o nosso bairro... Se for por isso a culpa é minha porque fui eu quem contou para ele!... Não tem culpa do seu irmão ter sido o terror do material escolar, dos lanches... Não fez ele praticar os roubos e trazer as joias para dar de presente a você e sua mãe...Ele é muito esperto! Ligou para mim e mentiu. A intenção dele era que eu fosse lhe buscar para que não houvesse testemunha...


APROXIMA-SE, SENTA-SE NA CAMA E ACARINHA A FACE DE ANINHA. DEPOIS SEGURA UMA DAS MÃOS DELA E A BEIJA.


LUCAS

Perdoe-me, mas... não sei se a intenção do seu irmão era matar o Mauro, mas posso até apostar que no mínimo ele estaria agonizando num hospital, como o tal de Rex que também resolveu desafiar o audacioso e destemido Caio, ou melhor: Batman Boy!


ANINHA

Não sei o que faço!... Se eu o denunciar, ele vai parar na cadeia e quanto a mim, terei que ver a dor nos olhos de minha mãe e saber que fui a causadora... Ela nunca vai me perdoar!...

BUSCA OS BRAÇOS DE LUCAS QUE É RECEPTIVO E CARINHOSO.


ANINHA

Caio é meu irmão caçula. Acabou de fazer dezoito anos!... Estou perdida, em algumas horas tenho que ir depor.


LUCAS (firme)

Seu temor é com relação a sua mãe, portanto, mesmo que não o denuncie, creio que deveria deixá-la ciente de tudo que está acontecendo... Ela tem que estar preparada! Conheço vários como o seu irmão e sei que não vai deixar de cometer os assaltos. Simplesmente, vai mudar de alvo, local, os envolvidos... Com isso, mais cedo ou mais tarde o pior pode acontecer. Ele pode até ser morto, Aninha!


CORTA


CENA 19: APARTAMENTO DE ROSANA – SALA DE ESTAR – INT/DIA


EM CENA A ANSIOSA E ASSUSTADA ANINHA QUE ESTÁ DECIDIDA A CONTAR TODA VERDADE PARA ROSANA, TAMBÉM ESTÁ EM CENA. AMBAS SENTADAS, UMA DIANTE DA OUTRA, EM POLTRONAS DIFERENTES.


ROSANA

Não estou entendendo.


ANINHA (titubeando)

O que quero lhe dizer mamãe é que não sou simplesmente mais uma testemunha de um crime desses marginais chamados Morcegos... Posso por um ponto final nessa história! Porque posso reconhecer um deles.


ROSANA (surpresa)

Então, por que não contou antes e acabou com isso de uma vez?... Esses vagabundos já deveriam estar atrás das grades!


ANINHA

Você acha que eu devo fazer isso mesmo, mamãe?


ENCARANDO ROSANA QUE LOGO VEIO SENTAR-SE AO SEU LADO. ROSANA NÃO ENTENDE A APREENSÃO E O MEDO DE ANINHA.


ROSANA

Se não puser um ponto final nisso agora outras pessoas vão passar por esse terror e talvez, outra família sofra a mesma dor que a família do Mauro... Por que está com medo, filha? Foi ameaçada?


ANINHA (receosa)

Não... O problema é que é alguém que conheço. Alguém que convivo, é...


CAIO CHEGA NO MOMENTO, A TEMPO DE OUVIR O QUE ANINHA DISSE. ELE PÁRA DIANTE DA PORTA E SE MOSTRA ASSUSTADO.


ROSANA

Mas a justiça tem que ser feita, Filha!... Não tem que se preocupar com o que possa vir a acontecer, não pode deixar se intimidar. Devemos confiar na justiça e cumprir nosso dever de cidadão!...


ABRAÇA A CHOROSA ANINHA QUE OLHA NOS OLHOS DE CAIO, QUE TAMBÉM CHORA.


ROSANA (afável, carinhosa)

O Mauro era um bom rapaz, um bom filho, um bom amigo. Os assassinos dele tem que pagar pelo que fizeram... Tem que entregar esse marginal e impedir que esse pesadelo continue!


ANINHA

Mesmo que ele seja o meu irmão?


CORTA


CENA 20: APARTAMENTO DE ROSANA – SALA DE ESTAR – INT/DIA


ROSANA ESTÁ DESESPERADA, CHORA AFLITA. ANINHA, COMOVIDA COM SUA DOR, TENTA FAZÊ-LA TOMAR A ÁGUA DO COPO QUE TEM EM MÃO. CAIO SE MOSTRA ATORDOADO E IRRITADO. E LUCAS OBSERVA TUDO.


ROSANA (chorando)

Meu filho, um assassino, um bandido!... Eu preferia estar sabendo da sua morte nesse momento...


ROSANA PARTE PARA CIMA DE CAIO QUE, CHORANDO, ENCOLHE-SE NUM CANTO.


ROSANA

Nada do que falou, nada do que contou dessa sua vida suja justifica o que fez... Talvez eu tenha uma parcela de culpa!... Fui relapsa em não buscar saber se realmente tinha feito trocas quando trazia aquelas coisas para casa. Mas, eu poderia imaginar tudo, menos que eram coisas roubadas dos seus colegas da escola!


ROSANA COMEÇA A BATER EM CAIO QUE NÃO SE DEFENDE. ANINHA PÕE O COPO SOBRE UMA ESTANTE E LOGO VAI DETÊ-LA. CONSEGUE ABRAÇÁ-LA.


ROSANA

Por que fez isso?!


ANINHA (compadecida)

Calma, mamãe!... Tente se controlar.


CAIO (furioso)

Está vendo o que fez idiota?... Eu já tinha prometido parar, não precisava contar para ela...


ROSANA

Sai daqui infeliz!...


ROSANA GRITA COM CAIO QUE LOGO SAÍ CORRENDO, DEPOIS DEIXA O CORPO CAIR NO SOFÁ E EM PRANTOS, PUXA ANINHA E FAZ A MESMA ENCARÁ-LA.


ROSANA (em suplica)