Tropeço doméstico



Acordei às quatro da manhã com um estrondo, seria um corpo que encontrou o chão ou vários corpos estatelados após queda? Talvez inúmeros corpos caídos como se Trump tivesse finalmente apertado o botão, mas aí não teríamos sequer um mundo para cair. Afinal, que estrondo era esse?

Gritos humanos rasgavam a madrugada e um grito em particular invadiu todas as realidades: uma mulher apanhava. Agora uma voz masculina-mente inumana tentava convencer que tudo estava muito bem, mas como estaria tudo bem se o olho esquerdo da minha vizinha se fechava em roxo ao mesmo tempo em que duas costelas se quebravam?

“Não foi nada” e já era tudo, o cheiro de sangue chegava ao oitavo andar. Liguei para a polícia, me pediram o endereço e número do apartamento, só conseguia dizer “Brasil”, no que me respondiam:

-É na Av. Brasil?

-É no Brasil!

-Senhora, preciso do endereço!

-É no Brasil porra, é no Brasil inteiro!

E foi assim que a linha caiu e o silêncio voltou a reinar.

Quando acordei com a sensação de um pesadelo, o celular piscava com inúmeras mensagens de WhatsApp vindas do grupo de moradores do meu condomínio, só prestei atenção na última.

Senhores, é com imenso pesar que comunico o falecimento da minha esposa Joana, a qual sofreu um acidente doméstico e veio a falecer no dia de hoje às 9h horas da manhã. O velório será no cemitério da Consolação a partir das 13h.

Era Maurício do apto 31, sempre tão afável e recém ingresso na polícia militar, vizinho muito querido no prédio. E essa é a psico-história oficial do novo oficial da cidade de São Paulo:

Joana tinha caído e batido a cabeça na privada. Ela morreu aos vinte e oito anos de idade em um tropeço doméstico, justamente na noite em que acabara de completar oito meses de gestação.


Vandia Leal

Posts recentes

Ver tudo

Dona Neuza

Deixe seu comentário: