Buscar

Um tuberculoso no século XIX

Sacode ao ser uma tosse constante;

O corpo, a febre o enche de calor.

Carnes míseras, notório palor,

Face entristecida, olhar não brilhante.

O sangue, na doença degradante,

Foge; desaparece tal humor

Por saliva rubra, a que tem sabor

De morte; o cheiro é de fim não distante.

O corpo fino e de grave cansaço,

Apesar de tudo, guarda a alma, ainda;

Porém o suco da vida..., bagaço!

Cada tosse fermenta a angústia infinda;

À mente domina a loucura de aço.

Cisma ele: “A vida devia ser linda!”.


Cleiton Alves

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla