Buscar

Um tuberculoso no século XIX

Sacode ao ser uma tosse constante;

O corpo, a febre o enche de calor.

Carnes míseras, notório palor,

Face entristecida, olhar não brilhante.

O sangue, na doença degradante,

Foge; desaparece tal humor

Por saliva rubra, a que tem sabor

De morte; o cheiro é de fim não distante.

O corpo fino e de grave cansaço,

Apesar de tudo, guarda a alma, ainda;

Porém o suco da vida..., bagaço!

Cada tosse fermenta a angústia infinda;

À mente domina a loucura de aço.

Cisma ele: “A vida devia ser linda!”.


Cleiton Alves

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas