Luz

Venham, estrelas!

Aliviem o meu tormento,

massageando de luz a minha dor.

Iluminem esse vão passatempo,

o de sofrer desafortunado amor.

Muitos são os meus lamentos

e tantos os meus miramentos

que nem sequer mais sustento

os meus olhos no firmamento.

Venham, estrelas!

Sanem essa loucura

de desejar o que não posso ter

e me deem qualquer candura

que só os teus raios podem conceder.

Demasiados são os segundos,

largos os meus choros profundos,

tão tristes e rotundos

como não há mais nesse mundo.

Venham, estrelas!

Reflitam a minha queixa

e sequem o meu pranto,

que nem sequer me deixa

querer a quem amo tanto!


Diógenes Carvalho Veras

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: