Buscar

Lavagens da beleza

A Beleza inventava lavagens de roupas só para conversar com as águas.

As águas irrigavam sua imaginação.

Mais ela também embebia o córrego de saudades...

Passava horas contando a ele sobre como se faz colorau.

A gente pobre da Lavagem sabia que a Beleza levava sonhos em sua bacia.

Em suas roupas não existiam verdades.

Mas havia verdade naquele caminhar manso e resistente:

Levantava-se com a saia pingando água.

Levava a rudia à cabeça.

Aprumava a bacia acima da rudia.

Fazia o pescoço firme.

O sol no meio do mundo.

Terra quente de rachar os calcanhares.

Mas as roupas são de imaginação.

Trafegando em caminhos do passado,

Os pés da Beleza pediam uma sombra para abrigar sua nudez.

Um cajueiro era o abrigo para gente despossuída.


Marcos Andrade Alves dos Santos

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas