Buscar

Lavagens da beleza

A Beleza inventava lavagens de roupas só para conversar com as águas.

As águas irrigavam sua imaginação.

Mais ela também embebia o córrego de saudades...

Passava horas contando a ele sobre como se faz colorau.

A gente pobre da Lavagem sabia que a Beleza levava sonhos em sua bacia.

Em suas roupas não existiam verdades.

Mas havia verdade naquele caminhar manso e resistente:

Levantava-se com a saia pingando água.

Levava a rudia à cabeça.

Aprumava a bacia acima da rudia.

Fazia o pescoço firme.

O sol no meio do mundo.

Terra quente de rachar os calcanhares.

Mas as roupas são de imaginação.

Trafegando em caminhos do passado,

Os pés da Beleza pediam uma sombra para abrigar sua nudez.

Um cajueiro era o abrigo para gente despossuída.


Marcos Andrade Alves dos Santos

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla