Buscar

Agora

Na solidão constante dos versos

Na simplicidade da fala

No rumo sem direção e nem aprumo

Na arte dos cidadãos comuns

No diálogo dos gestos mudos

Na simplicidade do olhar

Para além das escritas

Para além do barulho

Imerso no silêncio

Somente mergulho

Ininterrupto

Imparável, único

Somente só

Enquanto carrego todas

As lembranças do mundo



Por Miguel Barros

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla