Buscar

Ah meu senhor, que saudades!

Ah meu senhor, que saudades! Um tanto de teimoso que sou Me dá uma vontade De correr desenfreado, Alcançar o João do tempo, Pra dar um abraço tão apertado Até tirar-lhe o juízo e voar desembestado. Ah meu senhor, que saudades! Que me abre o peito E me dói de um jeito Que meu coração padece, Pede ar emprestado E já esfalfado, grita desamparado Por falta da bem amada Que de longe também não aguenta E se pendura aos pés do telefone pedindo

-

Por favor, traz pra mais perto

um pouquinho daquele

por quem meu coração disparou!


Mas meu senhor, que saudades! E como se não bastasse, Não tem band-aid que segure, Nem remédio que cure A não ser o calor do afago Me ajeitando e com sorriso largo Nos abraços do meu amor.

Posts recentes

Ver tudo

Liberdade

Lutando contra as forças Internas e externas, Buscando a felicidade Em todo canto e em cada fresta. Relevante sensação; De fato, relativa. Angústia presente Diversas vezes Escondida. Yuri Nunes Instag

Personificação

Teresa revoluciona ao sentir os gestos que suspendem dizeres e abraçar é uma ação no microcosmo dessa suspensão. Depois iremos forçar os limites da linguagem, escrever para confirmar existências e por

Globalização do amor

Amar na ausência, como se presente fosse, Como se tão perto estivesse, Globalização do amor. Corações planejam a presença, Dia a dia, raras, mas de tanto valor. Encontros que de tão intensos, Marcam,

© Copyright