Buscar

Ah meu senhor, que saudades!

Ah meu senhor, que saudades! Um tanto de teimoso que sou Me dá uma vontade De correr desenfreado, Alcançar o João do tempo, Pra dar um abraço tão apertado Até tirar-lhe o juízo e voar desembestado. Ah meu senhor, que saudades! Que me abre o peito E me dói de um jeito Que meu coração padece, Pede ar emprestado E já esfalfado, grita desamparado Por falta da bem amada Que de longe também não aguenta E se pendura aos pés do telefone pedindo

-

Por favor, traz pra mais perto

um pouquinho daquele

por quem meu coração disparou!


Mas meu senhor, que saudades! E como se não bastasse, Não tem band-aid que segure, Nem remédio que cure A não ser o calor do afago Me ajeitando e com sorriso largo Nos abraços do meu amor.

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla