Buscar

Apenas um sonho

O deus da nossa mediocridade conforta-se ao descascar laranjas. Debruçado na janela observo a vida sintética do quintal – longa distância entre desejo e ter. Inconcebível era um ontem estrada que nos ultrapassou, caminho sombra dos sonhos esquecidos ou abortados filhos. Emergência em emergir. Persistimos em delirar Paris como último indício de saúde mental. Eis que chega o travestido de insano e expõe nossa loucura classe média, o amor por máscaras e vida hipotecada. Felizes como margarina, mas prestes a derreter quando acabar o teatro da vida social.


Por Vandia Leal


Texto retirado do livro In-quietudes de Vandia Leal. Padê Editorial, Cole-sã Escrevivências, n. 13.

http://pade.lgbt/loja/vandia-leal-in-quietudes/

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla