Buscar

Apenas um sonho

O deus da nossa mediocridade conforta-se ao descascar laranjas. Debruçado na janela observo a vida sintética do quintal – longa distância entre desejo e ter. Inconcebível era um ontem estrada que nos ultrapassou, caminho sombra dos sonhos esquecidos ou abortados filhos. Emergência em emergir. Persistimos em delirar Paris como último indício de saúde mental. Eis que chega o travestido de insano e expõe nossa loucura classe média, o amor por máscaras e vida hipotecada. Felizes como margarina, mas prestes a derreter quando acabar o teatro da vida social.


Por Vandia Leal


Texto retirado do livro In-quietudes de Vandia Leal. Padê Editorial, Cole-sã Escrevivências, n. 13.

http://pade.lgbt/loja/vandia-leal-in-quietudes/

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u