As lembranças me fazem chorar

Eu choro com as lembranças do meu marido, o finado Chico Toinha.

As doutrinas dos Encantados me recordam da sua voz, do calor que emanava dela.

Fui uma mulher apaixonada pelo meu marido. Amei-lhe de corpo e alma.

Nunca pude pertencer a outro alguém, mesmo depois que ele partiu para o além.

Assim, cada doutrina que canto hoje traz com ela as lembranças do que vivemos juntos pelo meio do mundo.

As andanças pelo sertão ao fugirmos da seca terrível. A morada no Terreiro do Mestre Antônio de Mel. O tempo que passamos trabalhando no Bom. O aconchego no terreiro do Tio João Correa.

Quando eu canto, tudo aquilo retorna.

Tudo acontece outra vez em mim.


Maria Toinha

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: