Buscar

Cotidiana

Sozinha em casa brigo com os ponteiros

Um feixe de luz que despreza a tarde,

atravessa o amianto,

invade a minha solidão

Passeiam os dedos por entre os cabelos,

lição de zelo que faz florescer

No silêncio inquietante das mil leituras,

me encontro tal pintura abstrata,

vezes incompreensível,

não menos apreciável.


Lilian Gonçalves

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u