Buscar

Das coisas imutáveis, ser mãe

Há coisas na vida imutáveis, ser mãe, eis uma delas! No segundo do " positivo" era pra sempre. Eu agradeço todos os dias a filha maravilhosa que tenho, doce, tagarela e com uma percepção fantástica das coisas ao redor. Pirracenta e danada também! Ufa! Que bom! Ela é criança! Que no auge dos seus quase 8 anos, solta: mãe, vc é minha melhor amiga...

Aí pensa e diz: mas na escola é Ana tá bom?!

Trazer uma pessoa ao mundo é mágico! Mas adaptar essa pessoa a esse mundo em que estamos vivendo, é ter que fazer de fato, mágica todos os dias, para não perder o encanto, pra ter noção de realidade, mas sonhar mesmo assim, e é o que desejo pra minha Alice, que seu mundo seja sempre das maravilhas, apesar de. Que seus desejos pro gênio da lâmpada sejam sempre simples, e que ela descubra que dentre esses desejos ela pode pedir o direito a mais 3 e assim sucessivamente. Que o resto ela vá atrás, que além, muito além de 2 mais 2, ela saiba que essa conta, volta e meia pode dar 5, 6...

Das coisas imutáveis, essa é sem dúvidas a que mais me mudou, e que bom!

Ser mãe é se colocar à prova todos os dias, o mundo nos julga, as pessoas criticam algumas posturas, mas acreditem, a prova maior somos nós que nos impomos. Nos culpamos por absolutamente tudo o que acontece com nossos filhos, mesmo racionalmente sabendo que às vezes  não somos culpadas, mas parece que é uma das coisas do manual de mãe, manual este, que não existe palpável, a gente escreve todos os dias, vivendo.

Sabe a conversa de " criamos os filhos pro mundo?" Balela!!!! Nós mães é que tentamos nos convencer disso todos os dias. Criamos nossos filhos esperando que o mundo os aceite, a luta é justamente ensiná-los a aceitar o mundo.



Por Aline Pedrosa

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u