Buscar
  • Carine Mendes

Entre nós e maresia

Éramos 12. Perambulantes. Numa mistura que nos dava coesão. Andávamos como só naquela época podíamos, despreocupados e com todo o tempo a nosso dispor. Adolescentes, jovens, amigos. Éramos um. Grupo sem rumo, ou melhor, o rumo era estarmos juntos em caminhos, becos, vielas, areia que nos conectasse e levasse os diferentes passos a qualquer ponto em comum. Ríamos juntos, uns dos outros, dos outros. Chorávamos pelas

hoje banalidades, outrora catástrofes. Bebíamos em celebração e havia realmente o que celebrar, afinal de contas éramos 12. O vinho em comunhão a circular por todos nós, ébrios, comediantes por ocasião, eternos efêmeros. Independentes não éramos, mas em nossa frágil dependência da vida nos uníamos em semelhança. Parávamos extasiados, contemplativos à beira mar. A escutar os segredos de tantos jovens que pelas mesmas areias passaram e ainda hão de passar. O segredo era nosso e um só. Éramos todos um momento no intervalo curto de cada caminho, a nos cruzarmos, desfazendo-nos aos poucos em maresia...



Carine Mendes

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u