top of page

Entre nós e maresia

Éramos 12. Perambulantes. Numa mistura que nos dava coesão. Andávamos como só naquela época podíamos, despreocupados e com todo o tempo a nosso dispor. Adolescentes, jovens, amigos. Éramos um. Grupo sem rumo, ou melhor, o rumo era estarmos juntos em caminhos, becos, vielas, areia que nos conectasse e levasse os diferentes passos a qualquer ponto em comum. Ríamos juntos, uns dos outros, dos outros. Chorávamos pelas

hoje banalidades, outrora catástrofes. Bebíamos em celebração e havia realmente o que celebrar, afinal de contas éramos 12. O vinho em comunhão a circular por todos nós, ébrios, comediantes por ocasião, eternos efêmeros. Independentes não éramos, mas em nossa frágil dependência da vida nos uníamos em semelhança. Parávamos extasiados, contemplativos à beira mar. A escutar os segredos de tantos jovens que pelas mesmas areias passaram e ainda hão de passar. O segredo era nosso e um só. Éramos todos um momento no intervalo curto de cada caminho, a nos cruzarmos, desfazendo-nos aos poucos em maresia...



Carine Mendes

Posts recentes

Ver tudo

Cavaleiro Negro (Aline Bischoff)

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Brinquedos (Alessandra Barcelar)

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Múltiplas (Valéria Pisauro)

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Comments


Deixe seu comentário:
bottom of page