Horologium

No badalo do relógio

Do relincho do arauto

Para quem não tinha rádio

O prefixo era o mesmo:


— Olha a hora, Nascimento


Rodeando a avenida

Com ponteiro exibido

Hora exata era marcada

No trambelho bem ereto


— Olha a hora, Nascimento,

Meia casa andou o sol,

Mete o pé na rua velha

Foi-se embora o arrebol


No castigo da hora quente

Não se pode esmorecer

Para todos há ardor

Para alguns, boa mercê


— Fique atento, Nascimento,

Não deixe passar a vez.

A hora que foi, não volta.

Segure, no rabo, a rês.


No badalo do relógio

Do relincho do jumento

Nas matinas ou na sexta

O prefixo era o mesmo:


— Olha a hora, Nascimento!

 

Leandro Costa

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: