Buscar

Impasse

Disseste que te cativo?

Ora, pois trago comigo

Todas as dores do mundo

Olhai lá no fundo

Desse coração

Quê vês agora

Diferente de outrora?

Ai... as feridas abertas?

Não pergunte se dói

Decerto me corrói

Então, liberta-me

Deixa-me voar

Ou apenas te olhar

Se te cativo... destranca!

Abre essa porta

Nessa hora morta!

Onde trago comigo

Todas as dores do mundo

Se me cativas

És um bem querer

Ora... se te deixares partir

Que farei sem teu sorrir

Nas minhas manhãs frias?

Pois não trago comigo

Um porto...um abrigo

Então...que farei?

Talvez enlouqueça

E até perca a cabeça

E tu... olhastes bem

Neste coração?

Veja sua aflição:

Não posso ser

O que tenho vontade

Nem pela metade

Se me cativas

Sentirei teu perfume

Como de costume

Se me cativas

Por que dói?


Júnior Régis

Posts recentes

Ver tudo

Liberdade

Lutando contra as forças Internas e externas, Buscando a felicidade Em todo canto e em cada fresta. Relevante sensação; De fato, relativa. Angústia presente Diversas vezes Escondida. Yuri Nunes Instag

Personificação

Teresa revoluciona ao sentir os gestos que suspendem dizeres e abraçar é uma ação no microcosmo dessa suspensão. Depois iremos forçar os limites da linguagem, escrever para confirmar existências e por

Globalização do amor

Amar na ausência, como se presente fosse, Como se tão perto estivesse, Globalização do amor. Corações planejam a presença, Dia a dia, raras, mas de tanto valor. Encontros que de tão intensos, Marcam,

© Copyright