Buscar

Limites

Não

Não quero saber dos limites

Meus ou os impostos

Não quero ser apenas isso


Não

Não quero as migalhas caídas da sua capa

Não quero ser somente um anexo sem nexo

Não quero ser somente isso


Quero escrever a minha própria estrada

Com passos de lobo em uma caçada

Quero dedilhar meus versos sem medo do retrocesso

Quero ser o pronome Eu do caso reto


Vivo, tenaz, audaz

Se o medo vier que eu seja capaz

De ignorar as adversidades e seguir em paz

Pelas estradas da vida


Deixa eu ouvir vento soprar

As ondas baterem à costa

E descobrir algumas das respostas

Pelos pés que me guiam a vida


Solto, leve, cantante

No fim das contas, sou apenas um dos viajantes

Que trafega nesse Mundaú de inconstantes

Por caminhos nunca navegados


Miguel Barros (Colaborador Oficial Escrita Cafeína)

Instagram: @bmiguelpereira

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u