Buscar

Limites

Não

Não quero saber dos limites

Meus ou os impostos

Não quero ser apenas isso


Não

Não quero as migalhas caídas da sua capa

Não quero ser somente um anexo sem nexo

Não quero ser somente isso


Quero escrever a minha própria estrada

Com passos de lobo em uma caçada

Quero dedilhar meus versos sem medo do retrocesso

Quero ser o pronome Eu do caso reto


Vivo, tenaz, audaz

Se o medo vier que eu seja capaz

De ignorar as adversidades e seguir em paz

Pelas estradas da vida


Deixa eu ouvir vento soprar

As ondas baterem à costa

E descobrir algumas das respostas

Pelos pés que me guiam a vida


Solto, leve, cantante

No fim das contas, sou apenas um dos viajantes

Que trafega nesse Mundaú de inconstantes

Por caminhos nunca navegados


Miguel Barros (Colaborador Oficial Escrita Cafeína)

Instagram: @bmiguelpereira

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas