Buscar

Limites

Não

Não quero saber dos limites

Meus ou os impostos

Não quero ser apenas isso


Não

Não quero as migalhas caídas da sua capa

Não quero ser somente um anexo sem nexo

Não quero ser somente isso


Quero escrever a minha própria estrada

Com passos de lobo em uma caçada

Quero dedilhar meus versos sem medo do retrocesso

Quero ser o pronome Eu do caso reto


Vivo, tenaz, audaz

Se o medo vier que eu seja capaz

De ignorar as adversidades e seguir em paz

Pelas estradas da vida


Deixa eu ouvir vento soprar

As ondas baterem à costa

E descobrir algumas das respostas

Pelos pés que me guiam a vida


Solto, leve, cantante

No fim das contas, sou apenas um dos viajantes

Que trafega nesse Mundaú de inconstantes

Por caminhos nunca navegados


Miguel Barros (Colaborador Oficial Escrita Cafeína)

Instagram: @bmiguelpereira

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla