Limites

Não

Não quero saber dos limites

Meus ou os impostos

Não quero ser apenas isso


Não

Não quero as migalhas caídas da sua capa

Não quero ser somente um anexo sem nexo

Não quero ser somente isso


Quero escrever a minha própria estrada

Com passos de lobo em uma caçada

Quero dedilhar meus versos sem medo do retrocesso

Quero ser o pronome Eu do caso reto


Vivo, tenaz, audaz

Se o medo vier que eu seja capaz

De ignorar as adversidades e seguir em paz

Pelas estradas da vida


Deixa eu ouvir vento soprar

As ondas baterem à costa

E descobrir algumas das respostas

Pelos pés que me guiam a vida


Solto, leve, cantante

No fim das contas, sou apenas um dos viajantes

Que trafega nesse Mundaú de inconstantes

Por caminhos nunca navegados


Miguel Barros (Colaborador Oficial Escrita Cafeína)

Instagram: @bmiguelpereira

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: