Buscar

Limites

Não

Não quero saber dos limites

Meus ou os impostos

Não quero ser apenas isso


Não

Não quero as migalhas caídas da sua capa

Não quero ser somente um anexo sem nexo

Não quero ser somente isso


Quero escrever a minha própria estrada

Com passos de lobo em uma caçada

Quero dedilhar meus versos sem medo do retrocesso

Quero ser o pronome Eu do caso reto


Vivo, tenaz, audaz

Se o medo vier que eu seja capaz

De ignorar as adversidades e seguir em paz

Pelas estradas da vida


Deixa eu ouvir vento soprar

As ondas baterem à costa

E descobrir algumas das respostas

Pelos pés que me guiam a vida


Solto, leve, cantante

No fim das contas, sou apenas um dos viajantes

Que trafega nesse Mundaú de inconstantes

Por caminhos nunca navegados


Miguel Barros (Colaborador Oficial Escrita Cafeína)

Instagram: @bmiguelpereira

Posts recentes

Ver tudo

Café

O aroma das manhãs; Expresso Para o primeiro convite; Capuccino Para fortalecer as amizades; Frappe Depois de um amor gostoso; Duplo Debaixo do cobertor acompanhados de um livro; Mocha Fortalecendo os

Por mais Acrósticos

A palavra Amarrotada, Amarrada Cerrada, Cicatrizada, Concluída Rasga-se, Refaz-se, Reproduz-se, Recompõe-se, Recria-se no acróstico. Obliterada, Olvida, Oculta Secreta, Sagrada Transgride, Transver e

Mundo Qualquer

Tenho achado que já não sou firme o bastante pra amolecer se quiser Para rabiscar num papel e ir-me às linhas e achar-me em um mundo qualquer Tenho notado que já sei demais e não sei mais esquecer se