Mar(é)concreto

De sal a granizo adentro no mar de concreto, multidão-poesia. Formas em relevo, ângulos a penetrar, alturas a anonimizar. De suor a tremor caminho ligeiramente na engrenagem cíclica. Gente que sempre vai a algum lugar, gente que sempre tem que chegar, gente que não vê tanta gente. De acolhimento à polidez demoro a criar laço, abraço, afeto. Longe tanto, toda distância é abissal. Tempo dividido em frações milimétricas de eficácia e perdido em parcelas infinitas de contato adiado. De indolência à disciplina criativa recebo o que o dia tem para dar. Beleza singela da vida a palmos. Beleza dura e geométrica a qualquer luz. Beleza angustiante do frio que paralisa e estreita o que é humano. Do litoral à metrópole sou onde estou, onde estive, onde passo. Pontes de ar.


Carine Mendes



Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: