top of page

Meninas Voadoiras

Chão-limite

Pra elas pousarem

Depois de voarem

Por cima das casas e medos

Avançando por

Nuvens imaginárias

De algodão e lágrimas

Derramadas sobre a terra

Emergindo o aroma

Doce-fruta de mata.


Meninas crespas

Vestidas de vento

Nos céus a bailar

A canção das musas

Livres

Avistando bem do alto

Os pés dos incautos

Que acreditam serem o máximo

Uma pena!

Pois, só olham pra baixo,

Jamais pra cima

Nunca para os lados.


Meninas voadoiras

Pandeiros e folhas

Em mãos e cabelos

Singelas

Magricelas

Gordas

Alegres

Faceiras

Tão belas

São elas

Sempre perfumadas

Flores brotando

No espaço

Da própria liberdade.

Lilian Gonçalves

Posts recentes

Ver tudo

Cavaleiro Negro (Aline Bischoff)

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Brinquedos (Alessandra Barcelar)

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Múltiplas (Valéria Pisauro)

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário:
bottom of page