Buscar

Morre o sol e nasce a lua

O Sol sabe se retirar,

Após brilhar um dia inteiro.

Sabe a hora exata de recolher o brilho,

E nunca é passageiro.

Ele volta no dia seguinte,

Ainda que as nuvens venham fortes,

Ele nunca sucumbe,

Ainda que hajam tempestades.

Ele sabe qual o seu lugar,

E sempre está lá.

Mesmo que não possamos vê-lo,

Ele não se importa com isso,

Seu compromisso é com o brilho.

Não acho que ele se põe, ele se retira.

A lua tem outro tom de brilho,

Mas é apropriado.

Ele vai ao outro lado,

E sempre volta bem recebido.

Eles se precisam.

A dualidade nos ensina,

São como uma dança,

São sincronizados.

Não há luz sem as trevas,

E mesmo na escuridão,

Há um brilho inesperado.

O sol é lembrete dos compromissos e gritos,

A lua é certeza dos aprendizados e inícios.

O silêncio na troca de lugares é vazio,

Há um morrer e renascer todo dia, no calor e no frio.

Os vazios são passagens para a nova luz, o sol conduz.

Mesmo em dias nublados, ele sabe voltar do outro lado.


Veronica Stivanim

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u