Buscar

Multifaces

Não deixar de falar, expor, se mediar Conseguir ser ímpeto, sem temor Conquistar vitórias, sem dor Descobrir o novo, sem críticas Fazer da diferença, a saída para o que pode ser igual Achar que quase tudo é normal. Observar o canto, a arte, sem insensibilidade Curtindo o que o abstrato diz Para de ensinamentos, inventos, volta a ser aprendiz E no final, me diz A porcentagem do teu valor, pois já não sou a tua bússola Cansei de ser a intrusa de um corpo sem essência,

que apela sem decência

que preencham o que a genética lhe esvaziou. Começa pelo menor e tenta enxergar o maior, quando teus passos forem firmes Quando não houver mais o calibre de tanta sabedoria Concretiza o que de maior te sustenta para que volte a prender a fenda Que um dia você soltou. E sem mais conselhos, falo erguendo os joelhos que por um instante me apoiou Para que pudesse te olhar de frente, e agradecer verbalmente Pelo desprezo que hoje te dou Resultado da dor – sensível àqueles destinados, carma para os desacreditados Pena que tenha aprendido pela estrada mais sólida A verdade que estava atrás da porta e você deixou escapar Só espero que cuide de tratar com cuidado Ah, busque no armário, o que você precisa Para cicatrizar as feridas que você desprezou E que se abria a cada deslize, naquela crise que hoje nos derrubou Mas de uma coisa tenho certeza, Saio com delicadeza e sem ressentimento Não deixando o meu momento dissipar, vou viver e respirar A brisa que me convida, para ser feliz e digna de libertar.



Por Bianca Morais

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas