Buscar
  • Max Mendes

O fio invisível

É domingo. Os olhos atravessam a janela e se perdem no horizonte. A mãe lembra do dia em que o filho partiu. Outro cordão rompido que os separaram, mas dessa vez para mais longe. Deu vontade de um abraço. Deu vontade da presença. Deu vontade até de preparar a lasanha, que ele adorava devorar. Ali, na janela de casa, perdida em pensamentos, deu vontade.

Já ele pensa na luta. E luta. Talvez ela não entenda o espaço que ele precisava ganhar para ser. Mas ela reza para ele vencer. Ele fala para ela perder a mania de reclamar. Ele também reclama. Lágrimas pintam nos olhos. É domingo. E na janela de casa, ela trata de se reanimar. Ela lembra do fio invisível que une os dois e sorri. Ela sabe que ele está ali, mesmo sem estar.

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla