O luto (Alessandra Barcelar)

Fazia trinta anos.

Trinta anos em que Ernesto ligava para ela quatro vezes ao dia durante o trabalho.

Trinta anos recebendo flores ou chocolates uma vez por semana ou, em tempos de economia ruim, o convite ao jardim para sentar de mãos dadas e compartilhar a imagem da lua ou contar estrelas.

E agora o vírus o levou embora.

Ela sentiu sua cabeça girar. Que estava com náuseas. Que o ar não atingia seus pulmões.

Porém sabia que seria somente os primeiros dias.

Os primeiros dias sem Ernesto.

Posts recentes

Ver tudo

Naquele momento, ao se olhar no espelho, Felícia era a antítese de seu próprio nome. Chorava desesperada no vestido branco de seu casamento iminente. Sentia falta das bonecas com as quais brincava. Su

Chegam caminhando, Devagarzinho... Veem se aproximando, De fininho... Se aconchegando De mansinho... Quando vejo já estou rimando E com todo carinho, Novos poemas abraçando!

Vida e morte costumavam ter uma relação amorosa. Elas se amavam tanto que adotaram um animal de estimação. No entanto, um dia elas tiveram uma briga, e desde então, disputam-se a custódia desse animal

Deixe seu comentário: