Buscar

O regresso nem sempre é uma vinda

O regresso nem sempre é uma vinda

Que torna ao lar que o abraça.

Há saudades de amor que o tempo lassa

E que permanecem ainda e ainda.


A ida para uma fuga que nos prende

Faz-nos ficar tristes e sorumbáticos

Como se o vento, nos seus coices acrobáticos,

Nos ciciasse que a compra também se vende.


E a solidão alastra e aborrece

Porque sabe que não é voluntária.

Mas, o coração é teimoso e pária

E nas recordações lembra o que viesse.


O regresso nem sempre é uma vinda

E um escape não soluciona a solução

Que está nas mãos de uma só mão

Que é tão simples como uma chuva linda.

Jogado a um canto como um farrapo

Está o sentimento que é enorme

- Tolo de tolices disforme

Que te ama e que agora destapo.


Bruno de Sousa

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla