O regresso nem sempre é uma vinda

O regresso nem sempre é uma vinda

Que torna ao lar que o abraça.

Há saudades de amor que o tempo lassa

E que permanecem ainda e ainda.


A ida para uma fuga que nos prende

Faz-nos ficar tristes e sorumbáticos

Como se o vento, nos seus coices acrobáticos,

Nos ciciasse que a compra também se vende.


E a solidão alastra e aborrece

Porque sabe que não é voluntária.

Mas, o coração é teimoso e pária

E nas recordações lembra o que viesse.


O regresso nem sempre é uma vinda

E um escape não soluciona a solução

Que está nas mãos de uma só mão

Que é tão simples como uma chuva linda.

Jogado a um canto como um farrapo

Está o sentimento que é enorme

- Tolo de tolices disforme

Que te ama e que agora destapo.


Bruno de Sousa

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: