top of page

Oblação

Os dias se vão

Triste e distante lua

Neste mundo imensidão

Oblação tua carne nua

Caminhantes em redemoinho

Cujo ao mesmo raio volta

Desencontro

Da mão que então se solta

Piedade que falsa engana

Com mentira delira e treme

Triste ser que orgulho emana

Nem pecado desviado teme

Acreditar em nada que existe

Pesadelo de uma vida torta

E em amar deveras insiste

Fiel resiste fagulha morta

Das águas que agitadas correm

Marinheiro na escuridão navega

Flores que não regadas morrem

Sem recados ou entrega

E neste incauto torpe vagar

Falsa alegria que a rede insiste

Continua sem encontrar

Este amor que sequer existe.


Carmo Bráz de Oliveira

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário:
bottom of page