top of page

Obscuro domínio


Amar-te assim desvelado Lábio mordido na luz. Praia estendida ao Sol Na areia do ventre olvido.

Fogo-fátuo de desejo Feroz, barco louco. Onomatopeia teu corpo Tenaz do meu viver.

Sorriso vertendo vida Teu abraço desertor. Mãos que tocam o infinito No alcance vasto do imediato.

Beijo que é noite escura No dia que ali amanhece Intemporal, estático, Que o Amor um dia finda.

De novo, o teu toque: Lua sonhada sibilante Mordendo o céu límpido Da tua boca que apetece.

Movimento que não pára O começo que não termina.

Ser teu mais uma e outra vez,

Ser rio que em ti deságua .…


Bruno de Sousa

Posts recentes

Ver tudo

Cavaleiro Negro (Aline Bischoff)

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Brinquedos (Alessandra Barcelar)

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Múltiplas (Valéria Pisauro)

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Comments


Deixe seu comentário:
bottom of page