Buscar

Obscuro domínio


Amar-te assim desvelado Lábio mordido na luz. Praia estendida ao Sol Na areia do ventre olvido.

Fogo-fátuo de desejo Feroz, barco louco. Onomatopeia teu corpo Tenaz do meu viver.

Sorriso vertendo vida Teu abraço desertor. Mãos que tocam o infinito No alcance vasto do imediato.

Beijo que é noite escura No dia que ali amanhece Intemporal, estático, Que o Amor um dia finda.

De novo, o teu toque: Lua sonhada sibilante Mordendo o céu límpido Da tua boca que apetece.

Movimento que não pára O começo que não termina.

Ser teu mais uma e outra vez,

Ser rio que em ti deságua .…


Bruno de Sousa

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla