Buscar

Orelha lavada, Infância roubada (Trecho)

Marcelino circula pelas ruas, essas línguas cinzentas e calosas que deslizam até bocas de becos, bocas de fumo, bocas sem saída em movimentos dissimulados de rebeldia. O medo dos castigos, o medo das punições. O medo dos tapas. Socos e pontapés não mais existem. Só existem as lembranças que o chicoteiam em lapsos sem qualquer comando. Comando só o dele. Controle também. Não existe mais bolas que rolam. Tudo o que rola são as pedras de crack. Soltas. Santas. Salvadoras porque os transportam a uma dimensão paralela, em espíritos cansados de ver demais atrás de portas, janelas, vielas, esgotos, espaços de miséria que a cidade acumula. Também ela cinzenta. Também ela cheia de dominação e de gente oprimida que se refugia em cantos e recantos, em superfícies de vidro que nada veem, nada escutam, nada refletem, nada anunciam. Marcelino vai formando sua gangue, rodando sem sair do lugar. (Orelha lavada, Infância roubada, 2018, Editora Oito e Meio)


Sandra Godinho

Instagram: @smgg396

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas