Orelha lavada, Infância roubada (Trecho)

Marcelino circula pelas ruas, essas línguas cinzentas e calosas que deslizam até bocas de becos, bocas de fumo, bocas sem saída em movimentos dissimulados de rebeldia. O medo dos castigos, o medo das punições. O medo dos tapas. Socos e pontapés não mais existem. Só existem as lembranças que o chicoteiam em lapsos sem qualquer comando. Comando só o dele. Controle também. Não existe mais bolas que rolam. Tudo o que rola são as pedras de crack. Soltas. Santas. Salvadoras porque os transportam a uma dimensão paralela, em espíritos cansados de ver demais atrás de portas, janelas, vielas, esgotos, espaços de miséria que a cidade acumula. Também ela cinzenta. Também ela cheia de dominação e de gente oprimida que se refugia em cantos e recantos, em superfícies de vidro que nada veem, nada escutam, nada refletem, nada anunciam. Marcelino vai formando sua gangue, rodando sem sair do lugar. (Orelha lavada, Infância roubada, 2018, Editora Oito e Meio)


Sandra Godinho

Instagram: @smgg396

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: