Buscar

Orelha lavada, Infância roubada (Trecho)

Marcelino circula pelas ruas, essas línguas cinzentas e calosas que deslizam até bocas de becos, bocas de fumo, bocas sem saída em movimentos dissimulados de rebeldia. O medo dos castigos, o medo das punições. O medo dos tapas. Socos e pontapés não mais existem. Só existem as lembranças que o chicoteiam em lapsos sem qualquer comando. Comando só o dele. Controle também. Não existe mais bolas que rolam. Tudo o que rola são as pedras de crack. Soltas. Santas. Salvadoras porque os transportam a uma dimensão paralela, em espíritos cansados de ver demais atrás de portas, janelas, vielas, esgotos, espaços de miséria que a cidade acumula. Também ela cinzenta. Também ela cheia de dominação e de gente oprimida que se refugia em cantos e recantos, em superfícies de vidro que nada veem, nada escutam, nada refletem, nada anunciam. Marcelino vai formando sua gangue, rodando sem sair do lugar. (Orelha lavada, Infância roubada, 2018, Editora Oito e Meio)


Sandra Godinho

Instagram: @smgg396

Posts recentes

Ver tudo

Entre nós e maresia

Éramos 12. Perambulantes. Numa mistura que nos dava coesão. Andávamos como só naquela época podíamos, despreocupados e com todo o tempo a nosso dispor. Adolescentes, jovens, amigos. Éramos um. Grupo s

Desencontro Virtual

Já não quero receber teu abraço Meu corpo ressente Este corpo que recentemente é só meu Não há toque virtual As vezes evito teu olhar Ele me assusta e me desafia Acho que me desestabiliza E fecho a câ

Morre o sol e nasce a lua

O Sol sabe se retirar, Após brilhar um dia inteiro. Sabe a hora exata de recolher o brilho, E nunca é passageiro. Ele volta no dia seguinte, Ainda que as nuvens venham fortes, Ele nunca sucumbe, Ainda

© Copyright