Buscar

Orelha lavada, Infância roubada (Trecho)

Marcelino circula pelas ruas, essas línguas cinzentas e calosas que deslizam até bocas de becos, bocas de fumo, bocas sem saída em movimentos dissimulados de rebeldia. O medo dos castigos, o medo das punições. O medo dos tapas. Socos e pontapés não mais existem. Só existem as lembranças que o chicoteiam em lapsos sem qualquer comando. Comando só o dele. Controle também. Não existe mais bolas que rolam. Tudo o que rola são as pedras de crack. Soltas. Santas. Salvadoras porque os transportam a uma dimensão paralela, em espíritos cansados de ver demais atrás de portas, janelas, vielas, esgotos, espaços de miséria que a cidade acumula. Também ela cinzenta. Também ela cheia de dominação e de gente oprimida que se refugia em cantos e recantos, em superfícies de vidro que nada veem, nada escutam, nada refletem, nada anunciam. Marcelino vai formando sua gangue, rodando sem sair do lugar. (Orelha lavada, Infância roubada, 2018, Editora Oito e Meio)


Sandra Godinho

Instagram: @smgg396

Posts recentes

Ver tudo

Liberdade

Lutando contra as forças Internas e externas, Buscando a felicidade Em todo canto e em cada fresta. Relevante sensação; De fato, relativa. Angústia presente Diversas vezes Escondida. Yuri Nunes Instag

Personificação

Teresa revoluciona ao sentir os gestos que suspendem dizeres e abraçar é uma ação no microcosmo dessa suspensão. Depois iremos forçar os limites da linguagem, escrever para confirmar existências e por

Globalização do amor

Amar na ausência, como se presente fosse, Como se tão perto estivesse, Globalização do amor. Corações planejam a presença, Dia a dia, raras, mas de tanto valor. Encontros que de tão intensos, Marcam,