Buscar

Pequeno apocalipse

Nossa mãe cansada

À vida sovava

Com doce sorriso


Após misturá-la

Com água salgada

Que d'olhos vertia


E a fermentava

Com uma pitada

De imaginação


E depois nos punha a dormir

No porvir marinado de sonhos

E depois nos metia na vida

Com exato calor de virtude


E um dia, cozidos, partimos

aos palatos que não têm memória

e à orbe da pança inglória

que nos deu a patente de merda

e o inferno da fossa profunda.


Chegamos esgotados

Estava escuro o lume

Pesamos e fervemos

No lento caminhar

Da fila vertical


Mas um dia há de suspirar a gleba

Os vapores que evolam do fermento

Os que foram ruminados e desceram

Hão de ser a salvaguarda desta Terra


Quando o sol chegar de fato à velhice

E cantar o seu lamento de estrela

A memória do calor que ele tinha

Será fogo que sustentará a mesa.



Leandro Costa

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla