Buscar

Pequeno apocalipse

Nossa mãe cansada

À vida sovava

Com doce sorriso


Após misturá-la

Com água salgada

Que d'olhos vertia


E a fermentava

Com uma pitada

De imaginação


E depois nos punha a dormir

No porvir marinado de sonhos

E depois nos metia na vida

Com exato calor de virtude


E um dia, cozidos, partimos

aos palatos que não têm memória

e à orbe da pança inglória

que nos deu a patente de merda

e o inferno da fossa profunda.


Chegamos esgotados

Estava escuro o lume

Pesamos e fervemos

No lento caminhar

Da fila vertical


Mas um dia há de suspirar a gleba

Os vapores que evolam do fermento

Os que foram ruminados e desceram

Hão de ser a salvaguarda desta Terra


Quando o sol chegar de fato à velhice

E cantar o seu lamento de estrela

A memória do calor que ele tinha

Será fogo que sustentará a mesa.



Leandro Costa

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas