Buscar

Perdura

Teus olhos envoltos por um passado obscuro e

por muitas vezes luminoso. Rugas e manchas na

pele que rasga as marcações temporais.

O quintal aberto ao sol das horas da infância,

encantado e disposto.

Contigo descobri os retornos,

por mais que me desesperasse nas partidas.

A menina dos teus olhos apreendia o amor,

a fertilidade da formação dos vínculos,

erva-doce a perfumar a casa café.


Por Vandia Leal


Poema retirado da obra In-quietudes (Padê Editorial - Cole-sã Escrevecências)

http://pade.lgbt/loja/vandia-leal-in-quietudes/

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla