Buscar

Sobre morrer

Morre-se quando cala

o canto de uma criança

Que perdeu o viço

Pela bala perdida,

Por sua partida

Aos céus,

Mesmo sem asas

Morre-se quando cessa

o acalanto de pássaros que já

Não alçam voo,

Perdidos no colo das cinzas,

Que ardem no ar,

Costurando cruezas.

Morre-se quando o verde em fogo

Me queima por dentro,

E me devora em negra agonia,

E sufoca meu sopro,

Vingando as matas,

Esturricadas,

Até as bordas do meu limite.

Morre-se quando homens calam

Quando devem gritar,

Quando homens ensurdecem

Quando devem ouvir,

O grito em poesia,

A palavra em dor,

O verso em esperança.


Sandra Godinho

Posts recentes

Ver tudo

Café com verso

Se num instante contigo imagino Um encontro inusitado, eu confesso Que o universo como um abrigo amigo Nos recepciona em café com verso Ocasião remota surpresa Imensidão em ter um momento Para se cont

O melhor café do mundo

Nada parecia abalar a simplicidade daquela manhã. E da força ancestral do barro que emprestava ao velho fogão. O vento soprava sem pressa, a lenha crepitava cantando E as labaredas exibiam a inconfund

Cacoema

Precisa alcunha me deram Chamam-me boca do inferno Um inclemente juiz Sem capa, toga e terno. Se me encontrares no espelho Não te assalte o medo De ver-te como a mim veem Para a alegria de todos Sou u