Buscar

Sobre morrer

Morre-se quando cala

o canto de uma criança

Que perdeu o viço

Pela bala perdida,

Por sua partida

Aos céus,

Mesmo sem asas

Morre-se quando cessa

o acalanto de pássaros que já

Não alçam voo,

Perdidos no colo das cinzas,

Que ardem no ar,

Costurando cruezas.

Morre-se quando o verde em fogo

Me queima por dentro,

E me devora em negra agonia,

E sufoca meu sopro,

Vingando as matas,

Esturricadas,

Até as bordas do meu limite.

Morre-se quando homens calam

Quando devem gritar,

Quando homens ensurdecem

Quando devem ouvir,

O grito em poesia,

A palavra em dor,

O verso em esperança.


Sandra Godinho

Posts recentes

Ver tudo

O bêbado no cais

Em cada despertar um olhar estático em direção ao horizonte Morre o velho nasce o novo e dispôs-se a recordar Infante, clemente, nem tanto incandescente a vela acesa no altar Foge de mim esperança ao

Rota para a luz

Rota para a luz, A tua ténue paixão, Rosto que me seduz, Quando me dás a tua mão. O meu acreditar conduz, Todo os meus desejos e coração. Nem o passar do tempo reduz, Esse sentimento de emoção. O amor

Lua de marfim

Te contemplo no céu, Te admiro por sob o mar, Deixo guiar-me pelo seu véu, Misterioso clarão do Luar! Oh! Lua de marfim! Tem pena! Tem pena de mim! És minha saga, Beijo o chão, Por onde vaga O teu cla