Te marco


Não penso na flor: penso nos silêncios institucionalizados, nos assédios vivenciados, no preconceito estrutural, na equidade, na violência naturalizada, na desumanização do outro, na objetificação da mulher, nas mulheres negras, na invisibilidade das mulheres cientistas, na pluralidade do ser, no feminicídio, no gozo das mulheres, no não gozo das mulheres, nas pontencialidades perdidas, penso também nas poetas que se mataram, na raiva da Nina Simone, na virulência de Mississipi Goddam e no movimento terrorista em relação aos corpos das mulheres e toda essa carnificina. Penso então na flor, na flor como cinismo simbólico e espinhento que nada entende e prolifera a praga da docilização de nossos corpos.


Texto retirado do livro In-quietudes de Vandia Leal. Padê Editorial - Cole-sã escrevivências, n. 13.

http://pade.lgbt/loja/vandia-leal-in-quietudes/

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: