Buscar

Te marco


Não penso na flor: penso nos silêncios institucionalizados, nos assédios vivenciados, no preconceito estrutural, na equidade, na violência naturalizada, na desumanização do outro, na objetificação da mulher, nas mulheres negras, na invisibilidade das mulheres cientistas, na pluralidade do ser, no feminicídio, no gozo das mulheres, no não gozo das mulheres, nas pontencialidades perdidas, penso também nas poetas que se mataram, na raiva da Nina Simone, na virulência de Mississipi Goddam e no movimento terrorista em relação aos corpos das mulheres e toda essa carnificina. Penso então na flor, na flor como cinismo simbólico e espinhento que nada entende e prolifera a praga da docilização de nossos corpos.


Texto retirado do livro In-quietudes de Vandia Leal. Padê Editorial - Cole-sã escrevivências, n. 13.

http://pade.lgbt/loja/vandia-leal-in-quietudes/

Posts recentes

Ver tudo

Devolvo à natureza um sorriso tímido

Devolvo à natureza um sorriso tímido A cada manhã que acordo, mesmo que barulhenta << Às vezes, preferivelmente barulhenta>> Por sentir-me parte de algo maior, Por respirar tão fundo, calmamente enche

Maracaninha Encantada

Na beira da praia apresento minhas penas. Elas são verdes, Da cor dos olhos do mar. Me encantei no sereno das ondas. Nasci Maracaninha... Do sonho de menina e de ostras pequenas. Sou pássaro e ostra.

Meninas Voadoiras

Chão-limite Pra elas pousarem Depois de voarem Por cima das casas e medos Avançando por Nuvens imaginárias De algodão e lágrimas Derramadas sobre a terra Emergindo o aroma Doce-fruta de mata. Meninas