Tempo I

Os dias tão iguais, para que demarcar o tempo?

Quero quebrar os relógios da casa, tivesse um,

porém, mesmo quebrados restariam os digitais.

O tempo infernal grita e obriga à sua presença.


Se História corre igual para tantos iguais a mim

em dias sem Tempo, por que o vício das horas?

Sem Tempo? Se temos todo tempo do mundo!

Apenas tempo demais, derramado desperdício.


Marcar os segundos, semanas, os meses (não,

meses não, maldigo) e contar todas as horas?

Inútil o presente o futuro melhor nem pensar,

só o passado nos traça no tempo da memória.


A demência do tempo, triste sintoma da doença.


Lúcio Autran



Do livro A DEMÊNCIA DO TEMPO - Poesia para não enlouquecer ou manual de sobrevivência- um diário poético da quarentena sob o signo de um Poder demente - em andamento


Visite: http://lucioautran.blogspot.com.br/ Visite e curta: https://www.facebook.com/lucioautranfragmentosexiliovoluntario/

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: