top of page

Vidro

Os estilhaços

No chão jogados

Cortantes sob os pés

Descalços

De tantos percalços

Construídos

Recolhidos

Inatos

Ingratos

De sentimentos

Forçados

Desesperança

De cacos que

Já não se colam

Pontiagudos

Sons agudos

Tímpanos destruídos

Pensamentos isentos

Carcomidos

Em transe

Sem argumentos

Incompreensível

Impossível

Impassível

Ilusão da vida

De viver

De amar

De querer

Sem sonhar

E esquecer

Se conformar

E esperar

Para morrer.



Carmo Bráz


Posts recentes

Ver tudo

Cavaleiro Negro (Aline Bischoff)

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Brinquedos (Alessandra Barcelar)

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Múltiplas (Valéria Pisauro)

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Kommentare


Deixe seu comentário:
bottom of page