Com medo de te amar, te amei

Confuso ando pela casa

Obrigando-me a viver nesses dias

Matando em meu peito a vontade de te ter.


Meu medo é que os teus olhos deixem de

Encontrar os meus que são fracos e que te querem

Desesperadamente, te querem!

Olho-te e de repente não és mais. Deixou de ser. Foi.


Doei-te o meu resto de amor. Tudo. E tu?

Entregou-me tuas migalhas, migalhinhas.


Te desejei como um pássaro preso em gaiola deseja voar

Engasgado, emaranhado, estilhaçado, entristecido.


Agora

Minha vida conto por segundos

Amo-te como amante nunca amado

Rio-te, choro-te, vivo-te, morro-te.


Tu, no entanto, é algo como uma presença

Esvanecida, esquecida, esquisita.


Amar-me, não me amas.

Morrer-me, nem passa pela tua cabeça.

Entregar-se a mim? Tu só me iludes!

Irei. Te deixarei ir. E não seremos mais. Nunca fomos.


Rafael Silva

Posts recentes

Ver tudo

Onde vais pelas trevas impuras, cavaleiro das armas escuras (...) Cavaleiro, que és? – que mistério Que te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar? Álvares de Azevedo Por que é que voc

Lucas e Adalberto escreveram sua carta ao Papai Noel juntos. Empolgados, eles conversaram sobre o que fariam quando recebessem seus brinquedos. Lucas pediu uma bola e Adalberto um carrinho de madeira.

Dentro de mim cadeado, Porta aberta, cárcere privado, Ventre ancestral do tempo, Dentro de mim, muralha, Que a palavra não apaga Chica da Silva, Marielle, Anita, Dandara, Pagu, Maria Quitéria, Maria B

Deixe seu comentário: